Parlamento aprova projetos de resolução sobre segurança para utilizadores de bicicletas

O parlamento aprovou hoje, na generalidade, projetos de resolução de CDS-PP, PEV e PAN que recomendam ao Governo o alargamento da cobertura do seguro escolar às deslocações em bicicleta, bem como a adoção de medidas que aumentem a segurança.

Os projetos de resolução de CDS-PP e PEV mereceram os votos favoráveis dos proponentes, do PCP, PSD, PAN e BE, e a abstenção do PS.

Já o documento apresentado pelo deputado único do PAN foi aprovado por unanimidade.

O projeto de resolução apresentado pelo CDS-PP recomenda ao Governo que "atualize o regulamento do seguro escolar para incluir os acidentes que ocorram com velocípedes sem motor", enquanto o do PEV pretende que a cobertura deste seguro seja alargada "em bicicleta dos alunos no trajeto casa/escola/casa".

Já o PAN pede ao Governo que "crie um grupo de trabalho interministerial, para lançar e coordenar a implementação de medidas que visem a redução do risco rodoviário sobre os utilizadores vulneráveis", e que promova "a criação de estratégia nacional, integrada e abrangente, para a mobilidade em bicicleta".

O deputado André Silva preconiza também que seja revisto o "Regulamento de Sinalização de Trânsito de forma a incluir sinalética específica para proteger peões e condutores de bicicleta e alertar para a necessidade de comportamentos mais responsáveis por parte dos condutores de automóvel", que sejam organizadas ações de sensibilização sobre cidadania rodoviária e que seja reforçada a fiscalização rodoviária.

O PAN quer ainda que sejam criadas ciclovias entre municípios, e mais zona de velocidade reduzida dentro das cidades.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.