Parlamento aprova diploma que permite fotografia digital nas bibliotecas e arquivos públicos

A Assembleia da República aprovou hoje um texto com base num projeto do PS que vai permitir a fotografia digital nas bibliotecas e arquivos públicos, bem como o acesso a esses espaços com dispositivos digitais de uso pessoal.

Em votação final global, o parlamento aprovou, apenas com a abstenção do PSD, o texto final apresentado pela Comissão de Cultura, Comunicação, Juventude e Desporto.

Em maio do ano passado, o projeto de lei do PS tinha sido aprovado na generalidade com a abstenção do PSD e do CDS-PP e os votos favoráveis das restantes bancadas.

Os socialistas justificaram a iniciativa legislativa com a crescente "desmaterialização do conhecimento", que permite o acesso ao mesmo "de forma mais democrática, simples, célere e globalizada, nomeadamente através do uso de tecnologias de informação e comunicação".

Salientando que, em todas as áreas, as bibliotecas e arquivos públicos "continuarão a ser instituições de referência obrigatória para a investigação científica e académica", o projeto de lei do PS vai permitir o acesso dos cidadãos a estes espaços com os seus dispositivos digitais - como máquinas fotográficas, telemóveis ou portáteis - de uso pessoal, desde que salvaguardada "a preservação dos documentos e a não perturbação de terceiros".

"Adicionalmente, pretende-se ainda legislar no sentido de permitir a recolha de fotografias digitais para investigação académica e para uso privado da documentação à guarda das bibliotecas e arquivos públicos", é referido no diploma.

Para os socialistas, esta iniciativa "terá como resultado desonerar os custos globais de investigação académica para investigadores" e ocorre já em instituições de referência internacional.

"Salvaguardando-se quer a proteção legal dos direitos de autor e da propriedade intelectual quer a preservação dos documentos que carecem de especiais necessidades de manuseio e conservação, a presente iniciativa introduzirá vantagens evidentes para os investigadores e para as instituições, agilizando e desburocratizando o acesso", destacam os autores do projeto.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.