Parlamento aprova campanha nacional de esterilização de animais de companhia

A Assembleia da República aprovou hoje um projeto de resolução do PAN recomendando ao Governo a promoção de uma campanha nacional de esterilização dos animais de companhia, junto de famílias com dificuldades económicas.

Com votos favoráveis de todas as bancadas à exceção das abstenções de PSD e CDS-PP, o texto defende a afetação de, "pelo menos", meio milhão de euros para esta ação, "em articulação com a Ordem dos Médicos Veterinários e com os municípios".

Já a resolução do BE no mesmo sentido, só obteve aprovação do seu segundo ponto também para sensibilizar autarquias e veterinários a favor da esterilização para controlar a eventual sobrepopulação destes animais, igualmente com abstenções de PSD e CDS-PP.

O primeiro ponto do texto bloquista, que previa 800 mil euros "para a esterilização de animais errantes", foi rejeitado pelos votos contra do PS, abstenções de PSD e CDS-PP e votos favoráveis dos restantes partidos.

Outro projeto de resolução do PAN, apelando ao executivo socialista para proibir a utilização pecuária do medicamento veterinário "dicoflenac" - que está em avaliação pela Direção-Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV) -, foi aprovado por PAN, BE e PEV, registando-se abstenções de PSD, PS, CDS-PP e PCP.

A referida substância provoca, segundo diversos estudos, insuficiência renal aguda e consequente morte de aves necrófagas, como abutres e águias, por exemplo, que se alimentem de outros animais tratados com "dicoflenac".

Na sessão plenária foi também aprovado um texto do PEV - pela reposição da praia fluvial de Sejães (Oliveira de Frades), destruída pelo empreendimento hidroelétrico de Ribeiradio-Ermida -, apenas com o voto contra da bancada social-democrata.

Somente com a abstenção do PS, o parlamento aprovou também duas resoluções para obras urgentes de requalificação da Escola Secundária de Alpendorada (Marco de Canaveses) apresentadas por PSD e CDS-PP e cinco referentes à reabilitação da Escola Básica Vallis Longus (Valongo) da autoria de PSD, BE, CDS-PP, PCP e PEV.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.