Ordens Honoríficas não abrem processo e mantêm condecorações de Cristiano Ronaldo

As Ordens Honoríficas decidiram não abrir um processo sobre a situação do futebolista Cristiano Ronaldo, na sequência da sua condenação por fraude fiscal em Espanha, mantendo as condecorações que lhe foram atribuídas.

Segundo uma nota da Presidência da República enviada à Lusa, "O Conselho das Ordens Honoríficas concluiu que 'a situação relativa a Cristiano Ronaldo não configura o enquadramento previsto no n.º 1 do artigo 55º da Lei 5/2011, de 2 de março', ou seja, que não justifica abertura de processo".

O jogador Juventus e capitão da seleção nacional Cristiano Ronaldo foi condecorado em 2004 como Oficial da Ordem do Infante D. Henrique, em 2014 como Grande Oficial da mesma ordem e em 2016 com a Grã-Cruz da Ordem de Mérito.

No dia 24 de janeiro, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse que aguardava por uma decisão dos chanceleres das ordens nacionais relativamente à manutenção ou não das condecorações atribuídas a Cristiano Ronaldo.

Na altura, referiu que a Lei das Ordens Honoríficas Portuguesas, Lei 5/2011, "é muito simples" e estabelece que "os chanceleres, no caso vertente as chanceleres das ordens nacionais, verificam se sim ou não há situações que suscitam a perda de condecorações", em função de "dados de facto, concretamente uma decisão num tribunal".

"Portanto, há que deixar quem tem o poder legal de decidir, ou certificar, se sim ou não se aplica a lei", acrescentou.

No dia 22 de janeiro, Cristiano Ronaldo foi condenado pela justiça espanhola a dois anos de prisão, com pena suspensa, substituída por uma multa de 365.000 euros.

O jogador da Juventus reconheceu a culpa em quatro crimes de fraude fiscal, cometidos entre 2011 e 2014, no valor total de 5,5 milhões de euros.

Segundo o n.º 1 do artigo 55.º da Lei das Ordens Honoríficas Portuguesas, "deve ser instaurado processo disciplinar, mediante despacho do chanceler do respetivo conselho" sempre que "haja conhecimento da violação de qualquer dos deveres" dos seus membros titulares.

Esses deveres estão enunciados no artigo 54.º da mesma lei e incluem "defender e prestigiar Portugal em todas as circunstâncias", "regular o seu procedimento, público e privado, pelos ditames da virtude e da honra", "dignificar a sua ordem por todos os meios e em todas as circunstâncias" e "não prejudicar, de modo algum, os interesses de Portugal".

Existem três grupos de ordens honoríficas em Portugal: Antigas Ordens Militares, Ordens Nacionais e Ordens de Mérito Civil. Para cada uma delas existe um conselho, composto por um chanceler e vários vogais, na direta dependência do Presidente da República, que o coadjuvam na sua função de Grão-Mestre das Ordens.

Cristiano Ronaldo é membro da Ordem do Infante D. Henrique, uma das duas Ordens Nacionais, e da Ordem do Mérito, uma das três Ordens de Mérito Civil.

Atualmente, o Conselho das Ordens Nacionais tem como chanceler a antiga ministra das Finanças e antiga presidente do PSD Manuela Ferreira Leite. O Conselho das Ordens de Mérito Civil tem como chanceler Helena Nazaré, antiga reitora da Universidade de Aveiro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.