Ordem dos Médicos do Norte defende que Governo deve garantir recursos humanos do SNS

O presidente da Secção Regional do Norte da Ordem dos Médicos, António Araújo, considerou hoje que o Governo deve garantir "os recursos humanos necessários para a sustentabilidade e a qualidade do Serviço Nacional de Saúde (SNS)".

No âmbito do juramento de Hipócrates que 560 médicos fazem no domingo, no Porto, António Araújo lamentou a insuficiência de vagas em especialidades para estes jovens médicos, afirmando, contudo, que "há que lhes transmitir uma mensagem de esperança".

"Temos a certeza que faltam médicos no SNS e que estes são precisos. Esperamos que o Governo garanta os recursos humanos necessários para a sustentabilidade e a qualidade do SNS", afirmou.

O responsável destacou também que "a profissão médica tem evoluído, permitindo encarar novos desafios", em vez da observação e tratamento de doentes.

António Araújo apontou a investigação, a bioinformática e a gestão de unidades de saúde como "outras saídas profissionais que complementam os objetivos dos cursos" que os médicos tiraram.

"Infelizmente, continua a existir a possibilidade de emigrar", disse, acrescentando que Portugal consegue formar médicos de "qualidade excelente" que "facilmente encontram lugar noutros países".

Para o presidente da Secção Regional do Norte da Ordem dos Médicos, as faculdades de Medicina e o Ministério do Ensino Superior "partilham da visão de que não têm que garantir trabalho aos alunos" e nem todos conseguem vaga em especialidade.

O jornal Público noticia hoje que há 69 médicos que estão à espera que seja lançado o concurso excecional criado pelo Ministério da Saúde desde que ficaram sem acesso a uma vaga para fazer a especialidade em 2015.

"Desde 2015, quando terminaram o ano comum, que estes médicos estão num impasse à espera de vagas para fazer a especialidade. Na altura eram 114, mas alguns entretanto deixaram o SNS ou o país", escreve o diário.

A cerimónia do juramento dos 560 médicos vai ter lugar no domingo, na Casa da Música, às 16:30.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.