OE2019: Rui Rio defende que é dificílimo PSD viabilizar documento

O presidente do PSD, Rui Rio, defendeu hoje que "é dificílimo" o partido viabilizar o Orçamento do Estado para 2019, reiterando que se escusa a anunciar um sentido de voto a um documento que desconhece.

"Com toda a sinceridade, é difícil o PSD votar a favor de um Orçamentou ou até abster-se, deixar passar um Orçamento que vai ser feito numa lógica distinta daquela que entende? É dificílimo, porque o produto final não vai ser, quase de certeza, aquilo que nós queremos. Outra coisa é não conhecer o documento e já estar contra. Não acho que seja credibilizador", defendeu Rui Rio, após uma audiência com o Presidente da República.

Para o presidente do PSD, é "um erro político" anunciarem-se votos contra documentos que ainda não existem, como fez a líder do CDS-PP na segunda-feira.

O líder social-democrata falava aos jornalistas após sair de uma audiência com o Presidente da República, no Palácio de Belém, na qual expressou preocupação por um documento orçamental que não deverá ter em conta o "abrandamento da atividade económica", já que será realizado para "acomodar reivindicações do BE e do PCP".

"Continuo a ter como muitíssimo provável a aprovação do Orçamento do Estado (OE) pelos partidos da esquerda, nos mesmo termos de até à data, com a preocupação de acomodar reivindicações populares de cada um e não fazer frente à economia nacional", afirmou.

Acompanhado pelos vice-presidentes David Justino e Elina Fraga, e pelo líder parlamentar, Fernando Negrão, e pelo secretário-geral, José Silvano, Rui Rio apontou para o lado da maioria de esquerda: "O PSD aqui está sentado a ver qual a proposta de Orçamento que vai aparecer".

Questionado pelos jornalistas, o presidente do PSD disse que não falou com a presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, sobre um eventual governo formado pelos dois partidos em caso de chumbo do OE, como admitiu à TVI na semana passada, reiterando que está convencido que o documento é aprovado por PS, BE, PCP e PEV.

Apontado os compromissos de António Costa ao Presidente da República em 2015, Rui Rio sublinhou que, se o Orçamento não passar, tal significa que o primeiro-ministro e secretário-geral do PS "não tem alternativa à esquerda".

"Aquilo que aconteceu em 2015 foi uma vitória eleitoral do PSD com o CDS, portanto, tinha de referir o CDS", afirmou, referindo-se à entrevista que deu á TVI na semana passada.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

No PSD não há inocentes

Há coisas na vida que custam a ultrapassar. A morte de alguém que nos é querido. Uma separação que nos parece contranatura. Ou uma adição que nos atirou ao charco e da qual demoramos a recuperar. Ao PSD parece terem acontecido as três coisas em simultâneo: a morte - prematura para os sociais democratas - de um governo, imposta pela esquerda; a separação forçada de Pedro Passos Coelho; e uma adição pelo poder que dá a pior das ressacas em política.