OE2019: Alunos saúdam propinas mais baratas e pedem revisão do financiamento do ensino superior

Os estudantes dos institutos politécnicos saudaram hoje a redução de 212 euros no valor máximo da propina e alertaram para a urgência de rever o modelo de financiamento do ensino superior, que ainda depende parcialmente dos alunos.

A descida do teto máximo da propina anual de 1068 euros para 856 deverá constar no próximo Orçamento do Estado e foi anunciada no final da semana passada pelo Bloco de Esquerda, após uma reunião com o Governo.

A Federação Nacional de Associações de Estudantes do Ensino Superior Politécnico -- FNAEESP -- saudou hoje, em comunicado, a medida, defendendo que "os estudantes não podem continuar a assegurar uma percentagem tão avultada das despesas com a sua formação".

A FNAEESP critica o modelo de financiamento tripartido - Estado, Instituições de Ensino Superior (IES) e estudantes - e alerta para o facto de estar "subfinanciado e em risco".

"Deixamos o alerta para a necessidade urgente da revisão do Modelo de Financiamento das IES, criando a qualidade e as condições necessárias para se alcançar um ensino de excelência", defendem em comunicado.

Os alunos lembram que as instituições de ensino superior usam receitas próprias para despesas de funcionamento, como o pagamento de salários.

Também a Federação Académica de Lisboa (FAL) e a Associação Académica de Coimbra se congratularam com o anúncio da redução do valor máximo da propina.

Para a Federação Académica de Lisboa, a medida é "um pequeno passo para um ensino superior mais inclusivo e acessível para todo", e também uma "pequena vitória" e de reconhecimento da importância do ensino superior.

A Associação Académica de Coimbra (AAC) considerou a decisão "pioneira" e "histórica" e esperam que seja apenas um primeiro passo para se acabar com as propinas no ensino superior.

Já o presidente do Instituto Superior Técnico, Arlindo Oliveira, ficou preocupado com o acordo estabelecido entre o Governo e o Bloco de Esquerda.

Em declarações à agência Lusa, Arlindo Oliveira afirmou que não se pode estar "contra um ensino superior mais acessível", mas que, para o Técnico, a medida significará "mais de dois milhões de euros que vão ter que ser compensados por uma injeção do Orçamento do Estado".

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.