OE2018: Governo assume objetivo de ter "grandes dossiês bem avançados" até ao verão

O secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares assumiu hoje, em Bruxelas, que é objetivo do Governo que "os principais dossiês" do Orçamento do Estado para 2018 (OE2018) estejam "bem avançados" até final de junho.

"Sim, esse objetivo já é mais ou menos público, agora passa a ser público. Nós queremos que os principais dossiês estejam bem avançados no final do primeiro semestre deste ano. Esse era um objetivo que nós já tínhamos desde o início do ano e esperamos concretizá-lo", disse Pedro Nuno Santos, à margem de um debate em Bruxelas sobre a solução governativa em Portugal, a designada "geringonça".

Depois de a coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, ter defendido na terça-feira que "as traves-mestras" do OE2018 devem ser fechadas "bem antes" das eleições autárquicas de 01 de outubro, o secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares confirmou hoje que esse é um "objetivo partilhado, um objetivo comum".

"Desde o início deste ano que há essa indicação, aliás por parte do primeiro-ministro, que queria que os principais dossiês estivessem avançados no final do primeiro semestre. Portanto, esse é um objetivo partilhado, um objetivo comum", sustentou.

O secretário de Estado disse ainda que o objetivo de "antecipar um processo negocial" com os partidos de esquerda que apoiam o Governo visa apenas "facilitar o trabalho de todos".

"Há muito trabalho ainda por fazer, matéria muito complexa, que exige muito trabalho. E portanto, quanto mais depressa melhor", disse.

Na sua intervenção no debate sobre se "a solução governativa de Portugal pode ser uma inspiração para a esquerda europeia", coorganizado pela Fundação Europeia para os Estudos Progressistas (FEPS) e Fundação Res Publica, Pedro Nuno Santos garantiu que a solução portuguesa "funciona" e está a funcionar" e "vai até ao fim" da legislatura.

"Vamos até ao fim, isso é certo. Já ninguém duvida da capacidade dos partidos envolvidos para trabalhar em conjunto e garantir estabilidade politica em Portugal", afirmou.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz amanhã, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.