Obra de Annabela Rita chama a atenção para as crónicas de Eça de Queirós

A investigadora Annabela Rita afirma na obra "Eça de Queirós cronista: da 'Chronica' à Crónica", que a escrita de crónicas de Eça de Queirós não tem merecido a devida atenção por parte dos investigadores.

"A falta de um verbete sobre crónica ou cronística no 'Dicionário de Eça de Queiroz', ausência que se mantém na segunda edição revista e ampliada [ausência apenas colmatada no bem-vindo Suplemento ao 'Dicionário de Eça de Queiroz' (2000)], é sintoma da pouca atenção dos estudiosos à especificidade deste discurso queirosiano", escreve, na introdução, Annabela Rita, professora na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.

Eça de Queirós, refere a investigadora, iniciou-se "na escrita cronística de facto sistemática com a série do [jornal] Distrito de Évora (1867) e confirma-se com 'As Farpas' (1871-1872)", acrescentando, que "de uma para a outra, a crónica queirosiana sofre uma profunda transformação: o fragmentarismo e a indefinição estruturais dão lugar à unidade textual coesa e com características bem definidas".

No prefácio, o escritor Miguel Real realça que "o elemento de maior interesse do ensaio de Annabela Rita residirá na integração do pensamento do jovem Eça (entre os 22 e os 27 anos) no ideário crítico da 'Geração de 70', sobretudo na vertente que conduzirá todos os autores desta Geração na acentuação da categoria de Decadência como perfil histórico de Portugal desde o século XVII".

Real afirma que, neste ensaio, Annabela Rita demonstra "a autonomia da crónica como género literário e, por outro, a sua continuidade estética em forma de romance" na escrita do autor de "Os Maias".

José Maria Eça de Queirós (1845-1900), a par de outros intelectuais como Jaime Batalha Reis e Antero de Quental, que desde os tempos na Universidade de Coimbra, a partir de 1865, fez parte do grupo denominado "Geração de 70", que se revelou crítico do estado social e político do país, denunciando um "visível atraso civilizacional" relativamente à Europa Ocidental da época.

A obra foi o primeiro ensaio publicado por Annabela Rita, em 1998, e "conhece agora uma justa segunda edição", salienta Miguel Real.

Neste título, afirma o escritor, "Annabela Rita opera a desconstrução histórica dos dois conjuntos de crónicas, o primeiro evidenciando um Eça entretecido no Rotativismo [alternância no poder executivo entre dois partidos], fazendo do Distrito de Évora um jornal tanto representativo do liberalismo do Estado como oposicionista ao 'Governo da Fusão' (Regeneradores e Progressistas [os dois partidos que alternavam no poder]) de Joaquim António de Aguiar".

No segundo conjunto de crónicas, aponta Miguel Real, a autora "prossegue esclarecendo o Eça d''As Farpas', da colaboração com Ramalho Ortigão, precursor do Eça da década de 1880, experimentando na crónica o futuro estilo literário presente nos seus romances, sobretudo a singularidade estilística que o identificará como autor de crítica e denúncia social por via do humor e da ironia".

Segundo Miguel Real, "Annabela Rita demonstra a ligação entre a crónica da juventude e o romance do autor adulto, não distinguindo assim, como o faziam os intérpretes clássicos, o Eça cronista do Eça romancista, integrando ambas as vertentes literárias do autor na categoria histórica do Realismo" [corrente artístico-literária de finais do século XIX, que em oposição ao Romantismo defende uma visão científica do mundo e a moderação da exposição dos sentimentos].

Annabela Rita preside ao Instituto Fernando Pessoa - Língua Portuguesa e Culturas Lusófonas, da Sociedade Histórica da Independência de Portugal, e coordena o Centro de Literaturas e Culturas Lusófonas e Europeias da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.