Obra de Annabela Rita chama a atenção para as crónicas de Eça de Queirós

A investigadora Annabela Rita afirma na obra "Eça de Queirós cronista: da 'Chronica' à Crónica", que a escrita de crónicas de Eça de Queirós não tem merecido a devida atenção por parte dos investigadores.

"A falta de um verbete sobre crónica ou cronística no 'Dicionário de Eça de Queiroz', ausência que se mantém na segunda edição revista e ampliada [ausência apenas colmatada no bem-vindo Suplemento ao 'Dicionário de Eça de Queiroz' (2000)], é sintoma da pouca atenção dos estudiosos à especificidade deste discurso queirosiano", escreve, na introdução, Annabela Rita, professora na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.

Eça de Queirós, refere a investigadora, iniciou-se "na escrita cronística de facto sistemática com a série do [jornal] Distrito de Évora (1867) e confirma-se com 'As Farpas' (1871-1872)", acrescentando, que "de uma para a outra, a crónica queirosiana sofre uma profunda transformação: o fragmentarismo e a indefinição estruturais dão lugar à unidade textual coesa e com características bem definidas".

No prefácio, o escritor Miguel Real realça que "o elemento de maior interesse do ensaio de Annabela Rita residirá na integração do pensamento do jovem Eça (entre os 22 e os 27 anos) no ideário crítico da 'Geração de 70', sobretudo na vertente que conduzirá todos os autores desta Geração na acentuação da categoria de Decadência como perfil histórico de Portugal desde o século XVII".

Real afirma que, neste ensaio, Annabela Rita demonstra "a autonomia da crónica como género literário e, por outro, a sua continuidade estética em forma de romance" na escrita do autor de "Os Maias".

José Maria Eça de Queirós (1845-1900), a par de outros intelectuais como Jaime Batalha Reis e Antero de Quental, que desde os tempos na Universidade de Coimbra, a partir de 1865, fez parte do grupo denominado "Geração de 70", que se revelou crítico do estado social e político do país, denunciando um "visível atraso civilizacional" relativamente à Europa Ocidental da época.

A obra foi o primeiro ensaio publicado por Annabela Rita, em 1998, e "conhece agora uma justa segunda edição", salienta Miguel Real.

Neste título, afirma o escritor, "Annabela Rita opera a desconstrução histórica dos dois conjuntos de crónicas, o primeiro evidenciando um Eça entretecido no Rotativismo [alternância no poder executivo entre dois partidos], fazendo do Distrito de Évora um jornal tanto representativo do liberalismo do Estado como oposicionista ao 'Governo da Fusão' (Regeneradores e Progressistas [os dois partidos que alternavam no poder]) de Joaquim António de Aguiar".

No segundo conjunto de crónicas, aponta Miguel Real, a autora "prossegue esclarecendo o Eça d''As Farpas', da colaboração com Ramalho Ortigão, precursor do Eça da década de 1880, experimentando na crónica o futuro estilo literário presente nos seus romances, sobretudo a singularidade estilística que o identificará como autor de crítica e denúncia social por via do humor e da ironia".

Segundo Miguel Real, "Annabela Rita demonstra a ligação entre a crónica da juventude e o romance do autor adulto, não distinguindo assim, como o faziam os intérpretes clássicos, o Eça cronista do Eça romancista, integrando ambas as vertentes literárias do autor na categoria histórica do Realismo" [corrente artístico-literária de finais do século XIX, que em oposição ao Romantismo defende uma visão científica do mundo e a moderação da exposição dos sentimentos].

Annabela Rita preside ao Instituto Fernando Pessoa - Língua Portuguesa e Culturas Lusófonas, da Sociedade Histórica da Independência de Portugal, e coordena o Centro de Literaturas e Culturas Lusófonas e Europeias da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.

Opinião

DN+ A Cimeira da CPLP em Cabo Verde: a identidade e o poder pelo diálogo

Não é possível falar da CPLP sem falar de identidade. Seja ela geográfica e territorial, linguística, económica, cultural ou política, ao falarmos da CPLP ou de uma outra sua congénere, estaremos sempre a falar de identidade. Esta constatação parece por de mais óbvia e por de menos necessária, se não vivêssemos nos tempos em que vivemos. Estes tempos, a nível das questões da identidade coletiva, são mais perigosos do que os de antigamente? À luz do que a humanidade já viveu até agora, não temos, globalmente, o direito de afirmar que sim. Mas nunca como agora foi tão fácil influenciar o processo de construção da identidade de um grupo, de uma comunidade e, inclusivamente, de um povo.