Número de dormidas cresceu em todas as regiões entre 2013 e 2016 -- INE

O número de dormidas em estabelecimentos turísticos cresceu em todas as regiões do país entre 2013 e 2016, tendo aumentado a procura global no Norte e Alentejo, o turismo rural no Centro e alojamento local em Lisboa.

De acordo com dados sobre a diferenciação territorial do turismo, incluídos na 5ª edição do Retrato Territorial de Portugal, publicação bienal do Instituto Nacional de Estatística (INE), hoje disponibilizada, o número de dormidas naquele período "cresceu em todas as regiões e em todos os tipos de alojamento".

Nos estabelecimentos de Turismo no Espaço Rural e Turismo de Habitação, as maiores taxas de crescimento do número de dormidas registaram-se nas regiões Centro (+39,1%), Norte (+25,7%), Algarve (+24,9%) e Alentejo (+23,9%), entre 2013 e 2016.

Já na Área Metropolitana de Lisboa (AML) verificou-se um decréscimo de cerca de 10% ao ano nas dormidas em estabelecimentos daquelas mesmas tipologias, embora o INE sustente que o valor relativo às áreas predominantemente rurais da AML "está sujeito a segredo estatístico".

No Alojamento Local, o crescimento no número de dormidas foi mais expressivo na Área Metropolitana de Lisboa (+29,7%) e no Algarve (+23,3%), enquanto na hotelaria as maiores taxas de crescimento registaram-se nos Açores (+15,6%) e nas regiões Norte e Alentejo, ambas com um acréscimo de 13,5%.

Os dados da diferenciação territorial do turismo em Portugal revelam ainda que em 2016, em 40 municípios dispersos pelo país - embora mais concentrados no litoral do Alentejo, na faixa ocidental do litoral do Algarve e em algumas ilhas da Região Autónoma dos Açores - "mais de metade das dormidas ocorreu entre julho e setembro".

"Os municípios em que o efeito de sazonalidade nos meses de julho a setembro era menos intenso (valores abaixo de um terço do total de dormidas no ano) situavam-se maioritariamente no território do interior da região Centro, nas áreas metropolitanas do Porto e de Lisboa e também na Região Autónoma da Madeira", esclarece o INE.

De acordo com os mesmos dados, em 2016, o contributo dos hóspedes residentes no estrangeiro para a procura turística nacional foi superior à proporção registada a nível nacional (59,1%) em 33 municípios localizados sobretudo no Algarve e nas regiões autónomas.

Outros dados revelam que em cinco anos, entre 2011 e 2016, a capacidade dos hotéis de quatro e cinco estrelas aumentou em todas as regiões do país, sendo que a taxa de crescimento médio anual em Portugal se situou em 5%.

"As regiões que apresentavam um maior crescimento neste indicador foram o Alentejo e o Centro, com taxas de crescimento médio anual de 9,3% e 8,1%, respetivamente", diz o INE, frisando que o Algarve, naquele período, "registou o menor aumento da oferta de capacidade em hotéis de quatro e cinco estrelas".

No mesmo período, em 114 dos 308 municípios nacionais a proporção de reabilitações físicas de edifícios face ao total de superfície de obras no edificado destinado ao turismo foi superior a 50%, "destacando-se um conjunto de 63 municípios, localizados maioritariamente nas regiões Centro (21) e Norte (19), em que o total das obras destinadas a fins turísticos correspondeu exclusivamente a obras de reabilitação".

O INE sustenta ainda que entre 2013 e 2016 o número de alojamentos turísticos aumentou em todas as regiões do país, com destaque para a Madeira com um crescimento médio anual de 36,8%, mais de três vezes o registado na região Centro (11,9%), a segunda região do continente que mais cresceu, apenas suplantada pela Área Metropolitana de Lisboa (13,5% de taxa de crescimento médio anual).

O INE sustenta que a região Norte "mantinha em 2016 a maior oferta de alojamentos turísticos e registou no período 2013-2016 uma taxa de crescimento médio anual de 9,9%", enquanto os Açores (5,1%) e o Algarve (4,9%) foram as regiões em que o crescimento da oferta de alojamento foi menor.

Segundo o INE, a análise à diferenciação territorial do turismo baseia-se na informação estatística proveniente do Sistema de Indicadores de Operações Urbanísticas e do Inquérito à Permanência de Hóspedes e Outros Dados na Hotelaria e com recurso a tipologias territoriais, procurando "identificar o contributo dos territórios para a competitividade do turismo em Portugal".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Um país em greve

Ao fim de três anos de governo é cada vez mais aplicável a máxima de que "podes enganar todos durante algum tempo e alguns sempre, mas não podes enganar todos sempre". Apesar da propaganda inicial, é claro aos olhos de todos que afinal o governo falhou aos seus compromissos e noutros casos oscilou entre a incompetência e a displicência. Quem prometeu tudo a todos vê-se agora que afinal nunca esteve em condições de cumprir.

Premium

João Taborda da Gama

Amor elétrico

Há uma enorme fungibilidade na cama entre o homem e o saco de água quente. Tenho pensado muito nisto neste inverno que tardava, mas que mal chegou me desaconchegou. A existência de um objeto que satisfaz uma necessidade torna o antigo provedor dessa função desnecessário. E sem função, mais solto, o ludismo apodera-se do espaço deixado, qual Quim Júlio que percebe que o que atraía nele era quilojoule, e não ele em si, a sua perna, o seu cheiro, e coloca parte da sua masculinidade em casa em causa. Parte da sua masculinidade numa versão reconstruída, moderna, antropocêntrica, romântica, porque se ele pensasse na sua masculinidade enquanto tal percebia depressa que lá no âmago sempre esteve o calor. A infidelidade térmica é das mais frias que se pode cometer, precisamente porque no início o que juntou foi o quentinho. Contra este problema há estratégias várias, ignorar, atacar, argumentar. Na argumentação a melhor é a da segurança, que os sacos de água quente, dildos térmico-emocionais, são responsáveis por milhares de acidentes terríveis no mundo inteiro, pernas queimadas, famílias dilaceradas. Basta uma pesquisa rápida e não há tabloide sem sexagenária escaldada, a perna diabética, adormecida, apenas a dar o alerta quando a água do saco já tinha cozido a carne toda. Um dia acontece-me a mim, se o tsunami chegar ao meu lugar da cama. Não há lugares cativos. Aquilo que pode ser substituído deve ser substituído, há um problema de transição, um dever de apoiar e ajudar na transição, mas uma sociedade não pode manter por manter funções em que alguém pode ser substituído por uma máquina. Penso nisso sempre que passo numa portagem e entrego um cartão a uma pessoa que mo devolve com um talão. Receber dinheiro, fazer trocos, dar talões é uma função que ninguém devia ter de desempenhar, e o objetivo devia ser que ninguém tivesse de o fazer num curto espaço de tempo, ajudando na transição aqueles que isso fizeram e fazem. Mas no inverno que chega tarde mas abrupto ninguém se preocupa com transições. Uma das coisas mais fascinantes é a importância e tempo que as nossas cabeças dedicam às coisas. Por exemplo, passei mais de meia hora agora mesmo a procurar informação sobre o papel que a temperatura corporal joga na atração sexual, encontrei informação fascinante. Mas o mais fascinante de tudo foi um livro sobre a cama conjugal, conjugal leia-se partilhada - Two in a Bed: The Social System of Couple Bed, do Paul C. Rosenblatt, psicólogo americano, de 2006. Estudar, pensar, escrever sobre isto, há quem tenha vidas interessantes, mais interessantes do que a minha. Mas enquanto li sobre isso, que pouco me ajudará a mim e ao mundo, não li sobre coisas mais importantes do que isso tudo. E é essa a dúvida, por que não conseguimos estar sempre e apenas focados naquilo que interessa? Porque não somos máquinas, dirão uns. Enquanto escrevo há uma máquina a trabalhar por mim. O novo aspirador automático Roomba, no quarto lá de dentro, a limpar (não escrevas o esterco) as marcas normais de uma família com numerosas crianças, inteligente com sensores a calcular o percurso, a voltar atrás onde há mais marcas, e tudo acompanhado pela app no telemóvel, a sensação (ilusão) de controlo. Chama-se Rodolfo o aspirador, foi a Laura que escolheu o nome, nome de homem que limpa a casa, um puxa trenós do pó do chão. Quando a Laura nasceu, na primeira vez que saiu de casa fomos todos andar de elétrico com ela. Uma espécie de batismo de cidade, batismo de rua, de gente, de gentes da gente. Enquanto aquilo sacolejava pensámos que talvez quem dizia que éramos irresponsáveis tivesse razão, podia a bebé (as pessoas que alertam dizem sempre a bebé no feminino) morrer esmagada entre um o varão e um turista calmeirão, americano do Colorado, very typical the baby. Foi há 11 anos, no 28. Ontem foram 28 os feridos do 25, elétrico que descarrilou na Lapa, talvez farto de uma vida toda nos eixos.

Premium

Maria de Belém Roseira

Maria de Belém: uma nova Lei de Bases da Saúde para quê?

O projecto de Proposta de Lei de Bases da Saúde, elaborado pela Comissão criada por despacho do ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, de 31 de Janeiro deste ano, decorreu de uma leitura constitucional global e integrada das previsões que envolvem e enquadram o direito à protecção da saúde. O projecto tem ainda em conta o modo como as jurisprudências internacional e constitucional densificam o direito à protecção da saúde enquanto direito humano na ordem internacional e enquanto direito fundamental na ordem interna.