Novos 'hostels' poderão deixar de ser considerados Alojamento Local - Governo

A secretária de Estado da Habitação, Ana Pinho, afirmou hoje, durante uma audição no parlamento que os novos 'hostels' podem vir a precisar de licença de utilização turística, deixando de ser considerados Alojamento Local (AL).

Aos deputados, Ana Pinho admitiu que possa ser "requisitado aos novos 'hostels' que venham a ter uma licença de utilização turística" e que o executivo socialista reconhece haver "uma diferença entre certos tipos de estabelecimento de AL", não só do ponto de vista do uso, mas também do "próprio espaço físico onde operam".

"É desejável que tenhamos AL, é desejável que tenhamos arrendamento habitacional, mas que isto deve ser feito de forma integrada, articulada e equilibrada, para que no resultado final" se garanta que "não se afeta negativamente nem o setor do turismo, sem resultados para a habitação, nem o setor do arrendamento", vincou hoje a governante durante uma audição parlamentar no grupo de trabalho da Habitação, Reabilitação Urbana e Políticas de Cidade.

A secretária de Estado frisou ser "inevitável que o desenvolvimento turístico tem tido benefícios na economia", mas assumiu que é preciso pensar "nas consequências que poderá ter ao nível da diminuição de oferta de habitação permanente, na subida dos preços e na dificuldade de acesso ou permanência" em habitações.

A deputada social-democrata Berta Cabral concordou que o turismo fomenta a economia nacional, mas questionou "se há recetividade [por parte do Governo] para orientar algumas receitas do turismo para criação de políticas de incentivo à habitação pública" nas zonas "onde há maior conflito entre o turismo e a habitação pública".

O deputado do Partido Socialista Luís Vilhena considerou que, para "mitigar alguns dos fenómenos" causados pelo turismo, é "desejável que seja possível aos munícipes, câmaras municipais e população terem possibilidade de definir, através de regulamentação, a carga turística de diferentes zonas das cidades".

Já o deputado bloquista Pedro Soares afirmou que o país está a "viver uma crise habitacional" e que é necessário retirar a "promiscuidade entre alojamento local e empreendimento turístico".

"Consideramos que era importante que houvesse uma lei das autarquias que permitisse terem regulamentos para AL, definir quotas relativamente ao AL e encontrar um equilíbrio entre a oferta de habitação e a capacidade de absorção", afirmou.

"Seja num caso, seja noutro, algumas regras deveriam existir", disse a secretária de Estado da Habitação relativamente à sobrecarga na ocupação de imóveis, para "que haja uma boa convivência e uma compatibilização entre o desenvolvimento" e, ao mesmo tempo, "facilitar a resolução de conflitos".

Para tal, o Governo poderá "atribuir competências a julgados de paz, atribuir responsabilidade civil ao operador [do alojamento] por danos causados aos imóveis por hóspedes" ou tornar obrigatória a criação de seguros.

A governante afirmou que, se juntamente com "quotas para os municípios, houver a questão de ser diretamente transmissível o registo do estabelecimento, ou seja, sem que este caduque", em "zonas de sobrecarga", poderá ser possível regular "um pouco os preços do mercado".

"O papel do Estado, para além de fomentar nova oferta e incentivar que se desenvolva o mercado, tem este papel regulador", frisou a governante.

Para alterar o regime do alojamento local existem cinco projetos de lei do BE, do CDS-PP, do PCP, do PS e do PAN, defendendo todos, na generalidade, a obrigatoriedade de uma autorização por parte da assembleia dos condóminos para o exercício da atividade.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.