Novo projeto musical promove património natural da Madeira

A banda Otus Mauli, um novo projeto musical que funde o som dos cordofones tradicionais com a fotografia e o vídeo de paisagens luxuriantes da ilha da Madeira, promove esta segunda-feira, no Funchal, o concerto de apresentação.

"Otus Mauli pretende divulgar o património natural da Madeira de uma perspetiva artística inovadora, desenvolvendo um trabalho fotográfico e videográfico baseado nas paisagens luxuriantes da ilha, que se fundem com o som particular do coletivo", explicou à agência Lusa o compositor e multi-instrumentalista Tozé Cardoso, promotor do projeto.

A banda, composta por quatro elementos, conta com o apoio da Secretaria Regional do Ambiente e dos Recursos Naturais, através do Instituto das Florestas e Conservação da Natureza, e da delegação regional da Ordem dos Biólogos.

"Estão neste momento a ser escritos os guiões para os primeiros dois vídeos da banda, que apresentarão imagens cedidas pelos parceiros e que terão como pano de fundo a música de Otus Mauli", disse Tozé Cardoso, realçando que o concerto de apresentação terá lugar no Museu de História Natural do Jardim Botânico, na capital madeirense, esta segunda-feira pelas 19:00.

Otus Mauli é o nome científico da primeira espécie de mocho a extinguir-se no Arquipélago da Madeira, mas a banda, formada por Cláudia Mendonça (voz e percussão), Rui Vieira (braguinha), Rui Nóbrega (guitarras) e Tozé Cardoso (baixo), promete trazer uma nova vida ao panorama artístico madeirense.

"É um projeto de música original peculiar e abrangente, que privilegia a alma lusa, reforçando a cada canção os laços entre o passado referencial genuíno e a modernidade sóbria e objetiva", disse Tozé Cardoso, sublinhando que este "quarteto de trovadores" vai oferecer "novas perspetivas estéticas", em grande parte assentes nos cordofones madeirenses tradicionais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.