Músico Nuno Pinto atua no festival europeu de clarinete na Hungria

O músico Nuno Pinto atua no Festival de Clarinete, organizado pela associação europeia daquele instrumento, que se realiza na cidade húngara de Gyor, a partir da próxima terça-feira e até dia 31, foi hoje divulgado.

Nuno Pinto atua no concerto de abertura do evento, com a Banda Sinfónica de Gyor, sob a direção do maestro Ferenc Szabó, no Teatro Richter, onde vai interpretar "Contradança", de Telmo Marques.

Nuno Pinto estreou "Contradança" em 2016, com a Banda Sinfónica Portuguesa, sob a direção do maestro Francisco Ferreira, na Casa da Música, no Porto.

"Contradança" apresenta "temas de caráter tradicional com roupagens jazzísticas típicas do compositor Telmo Marques, que é diretor do departamento de música da Escola Superior de Música e de Artes do Espetáculo" (ESMAE), no Porto, segundo comunicado enviado à agência Lusa.

Em julho deste ano, Nuno Pinto participou no Clarinetfest, em Oostende, na Bélgica, onde, além de ter estreado, mundialmente, o Concerto para Clarinete, de Alain Crepin, interpretou a Sonata "Acrílica" e "Waxed Floor",também de Telmo Pires.

Nuno Pinto, natural do distrito de Vila Real, estudou clarinete com Saul Silva, António Saiote, Michel Arrignon e Alain Damiens, em Portugal e França.

Frequentou 'masterclasses' orientadas pelos clarinetistas Guy Dangain, Walter Boeykens, Howard Clug, Robert Fontaine e Alois Brandhofer.

O clarinetista tem-se dedicado à música de câmara e à música contemporânea, sendo um dos fundadores dos grupos de câmara Camerata Senza Misura, Trivm de Palhetas e Clarinetes Ad Libitum, fazendo ainda parte do Sond'Ar-te Electric Ensemble e da OrchestrUtopica. Regularmente faz duo com a pianista Elsa Silva.

Nuno Silva estreou 150 composições, 23 delas dedicadas a si, como a que apresenta na Hungria, "Contradança", e gravou 19 álbuns, segundo números da sua agência.

Entre os compositores nacionais, Nuno Pinto estreou peças de Cândido Lima, Luís Tinoco, Sérgio Azevedo, Ricardo Ribeiro, Telmo Marques, Virgílio Melo e Miguel Azguime.

O clarinetista tem colaborado com diferentes orquestras como a Gulbenkian, e participado em festivais internacionais em Espanha, França, Bélgica, Alemanha, Áustria, Inglaterra, Itália, Eslovénia, Hungria, Polónia, Brasil, Estados Unidos, China e Japão.

Em 2016 editou um CD "Tempo de Outono", com a pianista Elsa Silva.

A par da carreira como músico, Nuno Pinto é professor de clarinete de música de câmara, na ESMAE, onde é coordenador de mestrado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.