Museu da Lourinhã encerra temporariamente para remodelar coleção

O Museu da Lourinhã anunciou hoje que está encerrado aos visitantes até 2 de fevereiro para remodelar coleções, depois de os fósseis de dinossauros terem sido transferidos para o Parque dos Dinossauros, que abre ao público em fevereiro.

O Museu encerrou a 19 de dezembro e reabre a 3 de fevereiro, depois de obras de remodelação que incidem nas coleções de etnografia e arqueologia, que vão permitir aumentar a oferta aos visitantes.

"Vamos alterar os conteúdos explicativos e criar uma maior interatividade com o visitante na forma de mostrar as coleções e, como temos um grande espólio arqueológico em reserva vamos passar a mostrá-lo aos visitantes", explicou à agência Lusa o coordenador, Alexandre Audigane.

Na secção de arqueologia, os novos achados mais relevantes, adiantou, são materiais de uso quotidiano e militar que foram recolhidos em grutas pré-históricas do concelho e que datam do fim do período Neolítico, há seis mil anos.

O Museu vai ainda criar uma nova secção dedicada à Vida na Terra, na qual "é contada uma história que tem como fio condutor a abertura do Oceano Atlântico, que os cientistas acreditam ter ocorrido entre os 550 a 250 milhões de anos".

Essa coleção vai ser enriquecida com originais ou réplicas de fósseis de animais, como dinossauros, tartarugas ou ancestrais de crocodilos recolhidos em várias partes do mundo, como Angola, Wyoming (Estado Unidos da América) ou Gronelândia, no âmbito de projetos internacionais que tem vindo a integrar.

O Museu vai passar a ter também um espaço com atividades lúdico-pedagógicas para crianças, com ateliês sobre paleontologia, arqueologia e etnografia, onde as crianças podem passar pela experiência de serem paleontólogos ou arqueólogos, conhecer a arte de antigas profissões em exposição na secção de etnografia, confecionar pão caseiro ou ver filmes.

Em 2017, o Museu recebeu 33 mil visitantes.

Nas últimas décadas, os paleontólogos do Museu descobriram fósseis de dinossauros, pertencentes a várias espécies, e o maior ninho dos dinossauros com os mais antigos embriões até então encontrados, que colocam a Lourinhã na rota mundial da paleontologia.

A exiguidade do atual Museu tornavam impossível expor todos os achados, motivo pelo qual o Município e o Grupo de Grupo de Etnologia e Arqueologia da Lourinhã, associação que detém o Museu, estabeleceram uma parceria com privados, no sentido de vir a ter um novo espaço museológico.

A PDL - Parque de Dinossauros Lda, detida por investidores alemães, investiu 3,5 milhões de euros no Dino Parque, o maior museu ao ar livre em Portugal e um dos maiores parques temáticos de dinossauros da Europa, que vai abrir ao público em fevereiro de 2018 na Lourinhã.

O Dino Parque vai ter como atrações a exposição de fósseis de dinossauros transferida do atual museu e 120 modelos de dinossauros à escala real espalhados por um parque ao ar livre de 10 hectares, sendo o maior o dinossauro herbívoro saurópode 'lourinhasaurus', de pescoço e cauda compridos, com 23 metros de altura e cinco toneladas de peso.

O empreendimento vai ocupar, na primeira fase, dez dos 30 hectares do terreno onde funcionou a antiga lixeira municipal e vai criar 20 postos de trabalho.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.