Município da Batalha reclama criação do nó de ligação A1/IC9 em São Mamede

A Câmara da Batalha exigiu hoje ao Governo que o nó de ligação da autoestrada 1 (A1) ao itinerário complementar 9 (IC9) seja criado na zona de São Mamede, no âmbito do Programa Nacional de Investimentos 2030 (PIN2030).

Este nó de ligação está previsto no PNI2030 sem referir, no entanto, a localização exata da obra, explicou à agência Lusa o presidente da Câmara, Paulo Batista Santos (PSD).

"Este é o nó que temos trabalhado com a Infraestruturas de Portugal, é a solução mais barata e a mais eficiente. O Município está disponível para ajudar a financiar o nó em São Mamede".

Na nota de imprensa, a autarquia salienta que a "construção do nó de ligação A1/IC9 e do eixo viário de apoio à Área de Localização Empresarial São Mamede, através da ligação IC9 à EN356, nesta última componente, representa um investimento global de 600 mil euros".

A ligação pretendida "cumpre o consignado no Programa de Valorização de Áreas Empresariais, onde se prevê novos investimentos em construção de estradas prioritárias para ligação a Áreas de Localização Empresarial (ALE) à rede de estradas nacionais", refere o comunicado.

Irá permitir ligar uma ALE projetada com empresas já em funcionamento, que, entre outras unidades, acolhe um importante investimento estrangeiro do grupo italiano Fassa Bortolo, ou a maior empresa produtora de faiança da Península Ibérica e uma das maiores da Europa, que emprega mais de 800 trabalhadores".

Além disso, diz a Câmara, a construção do nó de ligação, "nestas condições, é suscetível de ser elegível no âmbito do PT2020, cuja reprogramação foi recentemente aprovada pela Autoridade de Gestão e que expressamente considera o investimento nas acessibilidades às ALE".

O Município da Batalha recorda ainda que, em finais de 2014, remeteu uma proposta de traçado ao Governo e à empresa Infraestruturas de Portugal, "tendo o projeto sido incluído no Plano de Ação de Mobilidade Urbana Sustentável da Região de Leiria e objeto de avaliação pelo atual Governo, em reunião de 24 de maio de 2016, com o secretário de Estado das Infraestruturas, Guilherme d'Oliveira Martins".

Segundo autarquia, a construção do nó de ligação A1/IC9 "deverá atender ao principal fluxo de trânsito e fundamento da construção do IC9, no tocante à mobilidade como elemento de promoção do turismo e das atividades económicas, representando a ligação Fátima/Batalha o principal fluxo de tráfego rodoviário daquela via, amplamente justificada pelo crescente número de visitantes do Mosteiro da Batalha".

O Governo apresentou na Assembleia da República o Plano Nacional de Investimentos até 2030, tendo agendado a sua discussão para dia 31, através da apresentação de um projeto de resolução do Partido Socialista.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.