Município da Batalha reclama criação do nó de ligação A1/IC9 em São Mamede

A Câmara da Batalha exigiu hoje ao Governo que o nó de ligação da autoestrada 1 (A1) ao itinerário complementar 9 (IC9) seja criado na zona de São Mamede, no âmbito do Programa Nacional de Investimentos 2030 (PIN2030).

Este nó de ligação está previsto no PNI2030 sem referir, no entanto, a localização exata da obra, explicou à agência Lusa o presidente da Câmara, Paulo Batista Santos (PSD).

"Este é o nó que temos trabalhado com a Infraestruturas de Portugal, é a solução mais barata e a mais eficiente. O Município está disponível para ajudar a financiar o nó em São Mamede".

Na nota de imprensa, a autarquia salienta que a "construção do nó de ligação A1/IC9 e do eixo viário de apoio à Área de Localização Empresarial São Mamede, através da ligação IC9 à EN356, nesta última componente, representa um investimento global de 600 mil euros".

A ligação pretendida "cumpre o consignado no Programa de Valorização de Áreas Empresariais, onde se prevê novos investimentos em construção de estradas prioritárias para ligação a Áreas de Localização Empresarial (ALE) à rede de estradas nacionais", refere o comunicado.

Irá permitir ligar uma ALE projetada com empresas já em funcionamento, que, entre outras unidades, acolhe um importante investimento estrangeiro do grupo italiano Fassa Bortolo, ou a maior empresa produtora de faiança da Península Ibérica e uma das maiores da Europa, que emprega mais de 800 trabalhadores".

Além disso, diz a Câmara, a construção do nó de ligação, "nestas condições, é suscetível de ser elegível no âmbito do PT2020, cuja reprogramação foi recentemente aprovada pela Autoridade de Gestão e que expressamente considera o investimento nas acessibilidades às ALE".

O Município da Batalha recorda ainda que, em finais de 2014, remeteu uma proposta de traçado ao Governo e à empresa Infraestruturas de Portugal, "tendo o projeto sido incluído no Plano de Ação de Mobilidade Urbana Sustentável da Região de Leiria e objeto de avaliação pelo atual Governo, em reunião de 24 de maio de 2016, com o secretário de Estado das Infraestruturas, Guilherme d'Oliveira Martins".

Segundo autarquia, a construção do nó de ligação A1/IC9 "deverá atender ao principal fluxo de trânsito e fundamento da construção do IC9, no tocante à mobilidade como elemento de promoção do turismo e das atividades económicas, representando a ligação Fátima/Batalha o principal fluxo de tráfego rodoviário daquela via, amplamente justificada pelo crescente número de visitantes do Mosteiro da Batalha".

O Governo apresentou na Assembleia da República o Plano Nacional de Investimentos até 2030, tendo agendado a sua discussão para dia 31, através da apresentação de um projeto de resolução do Partido Socialista.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.