Movimentos cívicos defendem nome de Manoel de Oliveira para nova ponte Porto/Gaia

Um movimento de cidadãos propõe o nome do cineasta Manoel de Oliveira para a nova ponte sobre o Douro ligando Porto e Vila Nova de Gaia, numa posição já apoiada pela associação cívica República e Laicidade.

As câmaras do Porto e de Vila Nova de Gaia anunciaram a 12 de abril a construção de uma nova ponte sobre o rio Douro, um projeto inteiramente financiado pelas duas autarquias.

A travessia, a designar Ponte D. António Francisco dos Santos, em homenagem ao bispo que morreu em setembro do ano passado, vai unir os dois concelhos entre Oliveira do Douro, em Gaia, e a zona de Campanhã, no Porto.

"Somos a favor da homenagem às pessoas da nossa região, e não conhecemos ninguém que tenha criado uma maior ponte entre o Douro e o Mundo que Manoel de Oliveira", sublinha o movimento.

"Manifestamos, então, o nosso voto popular para que a nova ponte Porto/Gaia se chame Ponte Manoel de Oliveira", acrescenta.

Na mensagem, o movimento manifesta-se a favor da laicidade do Estado, considerando que, "em 2018, já não é admissível atribuir o nome duma figura clerical e desconhecida dos portuenses e gaienses a uma obra tão grande como uma ponte".

Também numa nota publicada na sua página na Internet, a Associação República e Laicidade considera que o nome proposto pelos presidentes de câmara do Porto e de Gaia se refere "a uma personalidade cujo contributo para tornar conhecida a região é inferior ao de muitos outros portuenses e gaienses".

A nova ponte, anunciada pelas câmaras do Porto e de Vila Nova de Gaia em 12 de abril tem um custo estimado de 12 milhões de euros e prevê-se que esteja concluída no prazo de três a quatro anos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Brasil e as fontes do mal

O populismo de direita está em ascensão, na Europa, na Ásia e nas Américas, podendo agora vencer a presidência do Brasil. Como se explica esta tendência preocupante? A resposta pode estar na procura de padrões comuns, exercício que infelizmente ganha profundidade com o crescente número de países envolvidos. A conclusão é que os pontos comuns não se encontram na aversão à globalização, à imigração ou à corrupção política, mas sim numa nova era de campanhas eleitorais que os políticos democráticos não estão a conseguir acompanhar, ao contrário de interesses políticos e económicos de tendências não democráticas. A solução não é fácil, mas tudo é mais difícil se não forem identificadas as verdadeiras fontes. É isso que devemos procurar fazer.

Premium

João Almeida Moreira

1964, 1989, 2018

A onda desmesurada que varreu o Brasil não foi apenas obra de um militar. Não foi, aliás, apenas obra dos militares. Os setores mais conservadores da Igreja, e os seus fiéis fanáticos, apoiaram. Os empresários mais radicais do mercado, que lutam para que as riquezas do país continuem restritas à oligarquia de sempre, juntaram-se. Parte do universo mediático pactuou, uns por ação, outros por omissão. Os ventos norte-americanos, como de costume, influenciaram. E, por fim, o anticomunismo primário, associado a boas doses de ignorância, embrulhou tudo.