Morreu o arquiteto Augusto Pereira Brandão

O arquiteto Augusto Pereira Brandão, um dos responsáveis pela criação da Faculdade de Arquitetura de Lisboa, morreu na segunda-feira, aos 88 anos, na capital portuguesa, disse hoje à Lusa fonte da Universidade Lusófona.

Antigo vice-reitor desta instituição, Augusto Pereira Brandão desenvolveu um longo percurso ligado ao ensino da arquitetura em Portugal e ao desenvolvimento da construção escolar no país, de que foi um "nome-chave", na segunda metade do século XX.

Nascido em 1930, Augusto Artur da Silva Pereira Brandão formou-se em arquitetura, em 1957, na Escola Superior de Belas Artes de Lisboa (ESBAL), com média final de 20 valores.

Nos anos que se seguiram, exerceu cargos de ensino e gestão em diversas instituições científicas e de ensino superior e, em simultâneo, trabalhou na Junta das Construções Escolares, que marcou o desenvolvimento da arquitetura neste setor.

Augusto Pereira Brandão iniciou o seu percurso pedagógico na ESBAL, tendo sido presidente dos conselhos Diretivo, Científico e Pedagógico, entre 1976 e 1984, e acompanhado o processo de reestruturação desta escola e de criação da Faculdade de Arquitetura de Lisboa. Foi vogal da Comissão Instaladora desta instituição (1984-1986), de que foi presidente do Conselho Diretivo e vice-presidente do Conselho Científico.

Em 1991, iniciou a colaboração com diferentes faculdades de arquitetura, nomeadamente na Universidade Lusíada, de que foi vice-reitor (1991-1994) e, depois, na Universidade Lusófona, de que foi presidente do Conselho Superior Académico, vice-reitor e diretor da Faculdade de Arquitetura e Artes.

Como técnico superior da Junta das Construções para o Ensino Técnico e Secundário e da Direção-Geral das Construções Escolares, entre 1955 e 1974, projetou, entre outros, os edifícios dos liceus - atuais escolas secundárias - Rainha D. Leonor, em Lisboa (1956), Garcia de Orta, no Porto (1966), da Covilhã (1960), de Gondomar (1965), da Maia e de Vila Nova de Gaia (ambas em 1967).

Fez parte do Grupo de Estudos sobre Construção Escolar, que levou à conceção de "escolas-piloto" em Mem-Martins, Barreiro e Vila Nova de Gaia.

Em 1968, esteve também à frente dos projetos de construção das primeiras Escolas Preparatórias/Ciclo Preparatório, do país.

Pereira Brandão dirigiu, ainda, o Gabinete de Estudos para a construção da Universidade Técnica de Lisboa, no atual Campus do Alto da Ajuda da Universidade de Lisboa, onde se encontra a Faculdade de Arquitetura.

De acordo com a sua biografia, desenvolveu também trabalho na recuperação de património, em Portugal e no estrangeiro.

Além de obra publicada, no campo pedagógico, como "Estudo da Criação Arquitetónica", tem também intervenções em revistas da especialidade, e é autor de "Retrato de um arquiteto renascentista: L.B. Alberti", e dos álbuns "Desenhar Lendas" e "A Aventura portuguesa" (com Michael Teague), sobre a História de Portugal e dos Descobrimentos, em particular.

Há um ano, em maio de 2017, a Faculdade de Arquitetura de Lisboa inaugurou a exposição "Vida e obra de Augusto Pereira Brandão", destacando a sua ação para o "Património Português e o seu Imaginário", na Junta das Construções Escolares do antigo Ministério das Obras Públicas, e para a criação da Faculdade de Arquitetura da Universidade de Lisboa.

De acordo com a Universidade Lusófona, na nota de pesar pela morte do seu antigo dirigente, as cerimónias fúnebres de Augusto Pereira Brandão realizam-se na quarta-feira, em Lisboa, a partir das 16:00, com missa de corpo presente na Igreja do Santo Condestável, seguida de cremação, no Cemitério dos Olivais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.