Ministro da Educação realça elevado retorno da aposta nas competências digitais

O ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, disse hoje que a aposta nas competências digitais é um investimento com "altas taxas de retorno" que deve envolver as escolas e valorizar o papel das comunidades educativas.

"Este é um investimento com altas taxas de retorno, principalmente se soubermos apostar nas competências chave, nas metodologias mais eficazes e, claramente -- e aqui falo das nossas escolas --, nas nossas crianças e jovens e nos nossos públicos prioritários", afirmou o ministro.

Para Tiago Brandão Rodrigues, "investir nessas competências é imprescindível para gerar o tal crescimento económico" e promover a coesão social.

"As competências são o maior ativo de qualquer país e de qualquer comunidade", sublinhou, em Coimbra, ao intervir na primeira Conferência do Fórum Permanente para as Competências Digitais, promovida pelo Governo no âmbito da Iniciativa Nacional em Competências Digitais e.2030 (Portugal INCoDe.2030).

O ministro da Educação alertou que a chamada revolução digital é uma mudança global "a que Portugal nunca poderá ser alheio" e que o Governo de António Costa assume como "a aposta do país", com vista a "qualificar e dignificar o trabalho, para estruturar e conferir a tal sustentabilidade a uma economia de e com futuro".

Trata-se, afinal, de "uma mudança profunda" em curso a nível mundial, "em todas as economias e em todas as sociedades", que importa concretizar também em Portugal, sublinhou.

Esta "devolução da normalidade à vida dos portugueses" terá de passar por "uma educação conseguida numa escola aberta, um lugar de equidade" que deve proporcionar "uma aprendizagem de sucesso e de valorização das comunidades educativas", segundo Tiago Brandão Rodrigues.

"É dever do país preparar os jovens para a revolução tecnológica que está em curso", defendeu, ao enfatizar que o sistema educativo, com o atual Governo, tem vindo "a recuperar de um tempo de letargia" no domínio das Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC).

Na ótica do ministro da Educação, Portugal irá desenvolver-se "tanto quanto se desenvolverem as competências" dos cidadãos, designadamente na área digital.

Tiago Brandão Rodrigues salientou a necessidade de a sociedade portuguesa "conquistar as competências digitais básicas" até 2030.

Ação integrada de política pública, envolvendo vários ministérios, a INCoDe.2030 visa reforçar as competências digitais na sociedade portuguesa.

Esta aposta do XXI Governo Constitucional, liderado pelo socialista António Costa, "exige pensar de forma aberta e colaborativa", embora "sem partir de um quadro em branco", disse a ministra da Presidência e da Modernização Administrativa, Maria Manuel Leitão Marques, no início dos trabalhos, que decorrem hoje no Convento de São Francisco, na margem esquerda do rio Mondego, até ao fim da tarde.

O programa da conferência sobre competências digitais, que reúne centenas de pessoas, inclui a participação de dezenas de oradores em painéis estruturados ao abrigo de cinco eixos: inclusão, educação, qualificação, especialização e investigação.

Na abertura, intervieram ainda Rogério Carapuça (INCoDe), Pedro Guedes de Oliveira (INCoDe), Mário Campolargo, diretor-geral adjunto da Direção-Geral da Informática da Comissão Europeia, e Manuel Machado, presidente da Câmara Municipal de Coimbra.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.