Ministro da Educação assegura que acordo com docentes é para cumprir

O ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, assegurou hoje, no Peso da Régua, que o acordo com os docentes e organizações sindicais "é para cumprir" e salientou que o "clima é de diálogo constante".

"O acordo é para cumprir e é essa a segurança que eu dou aos docentes e obviamente às organizações sindicais. Quando nós assinamos um acordo é para cumprir esse acordo, também temos que cumprir a lei e o estatuto da carreira docente", afirmou o governante aos jornalistas.

Instado a comentar os avisos deixados pelos sindicatos da educação de que o Governo ou "honra os compromissos" assinados em novembro ou os professores entram em luta, o ministro frisou que as negociações com os sindicatos "são sempre feitas de boa-fé, sempre feitas a pensar na dignificação da carreira docente e na condição dos trabalhadores".

Tiago Brandão Rodrigues afirmou que o "clima é de diálogo constante" e explicou que existem "tantas vias negociais abertas", quer relativamente ao 5.º e 7.º escalões e ao reposicionamento das carreiras, porque durante sete anos "nenhuma destas negociações teve lugar".

"As carreiras estavam descongeladas e todas estas negociações advêm do facto de nós termos um descongelamento de carreiras e, como temos descongelamento de carreiras, temos que por o estatuto da carreira docente a trabalhar e o estatuto de carreira docente implica que tenhamos e queiramos negociar com os sindicatos um conjunto de pacotes e de portarias que são importantes negociar", referiu.

Questionado ainda sobre o descongelamento de carreiras no setor da Educação e respetivo aumento salarial, o ministro garantiu que, neste momento, todos os agrupamentos e escolas não agrupadas estão a fazer o processamento da condição em que está cada docente em termos de progressão da carreira.

"Os professores receberão no mês de janeiro a atualização, se não tivermos a informação devida de cada um dos professores o que acontecerá, naturalmente, é que haverá retroativos", salientou.

Tiago Brandão Rodrigues visitou hoje a Escola Secundária João Araújo Correia, na cidade do Peso da Régua, distrito de Vila Real, no âmbito do roteiro do projeto "Yorn Inspiring Future" que visa informar e incentivar os alunos do secundário a prosseguirem os estudos para o ensino superior.

O projeto leva às escolas secundárias informações sobre as instituições de ensino superior e os cursos disponíveis.

O ministro visitou a feira, onde as instituições se apresentaram, e conversou com vários alunos, deixando incentivos para que os estudantes prossigam os estudos, para que se qualifiquem, mas, acima de tudo, para que sejam felizes nas suas escolhas futuras. O governante também ouviu as dúvidas e inquietações dos jovens.

"Como o nevoeiro do Douro, que encontramos esta manhã, estas inquietações e dúvidas vão-se dissipando e transformando em certezas absolutamente essenciais para eles poderem construir a parede que lhes vai dar alicerces e fundações à sua vida", referiu Tiago Brandão Rodrigues.

Promovido pela Associação Inspirar o Futuro, o projeto vai atingir mais de 42 mil jovens durante este ano letivo.

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?