Ministra da Educação timorense apoia expansão da Escola Portuguesa de Díli

A ministra da Educação timorense anunciou o apoio ao projeto de expansão da Escola Portuguesa de Díli (EPD), que arrancou hoje simbolicamente o ano letivo e que terá o maior número de alunos de sempre, mais de mil.

"Sei que a direção da escola tem intenção de aumentar as suas instalações e aproveito para dizer que, no que depender do Ministério da Educação, terão todo o nosso apoio", afirmou hoje Dulce Soares num ato que decorreu na EPD.

"A EPD e o Ministério da Educação timorense têm o mesmo objetivo, que é proporcionar uma educação de qualidade, e será para isso que trabalharemos sempre em conjunto", afirmou.

Acácio de Brito, diretor da escola, confirmou que o processo de expansão - que terá um custo total de cerca de cinco milhões de dólares (4,3 milhões de euros) - está a decorrer, permitindo aumentar significativamente a capacidade de acolhimento de alunos.

O projeto prevê a construção de mais um piso no edifício principal do espaço, acomodando entre 15 e 20 salas, a construção de uma sala multiusos que servirá como auditório e ginásio e ainda a instalação de dois campos desportivos, entre outras melhorias e alterações.

Este ano a EPD terá 1032 alunos, com 270 no ensino pré-escolar, 376 no 1.º ciclo, 131 no 2.º ciclo, 144 no 3.º ciclo e 121 no ensino secundário.

"Esta é uma escola portuguesa ao serviço de Timor e das relações fraternas entre dois povos que se querem e que no exercício de uma soberania inquestionável não renegam o passado comum", afirmou Acácio Brito.

José Pedro Machado Vieira, embaixador de Portugal em Díli, recordou que a EPD é um "projeto de referência para o Governo português" e é um "farol" no setor da cooperação na área educativa, que "continua a ser prioritário" para a atuação portuguesa em Timor-Leste.

"A educação é a face mais visível da cooperação portuguesa e um setor prioritário de atuação para os dois países", disse.

"O Governo português apoia uma série de projetos de grande significado na qualificação do ensino em Timor-Leste, com grupos distintos, mas que cumprem todos o propósito de apoiar o Governo de Timor-Leste no desígnio nacional de ter a língua portuguesa como língua oficial", afirmou.

Na sua intervenção, Dulce Soares recomendou aos alunos aproveitar a oportunidade que significava estudar numa escola "de grande qualidade", louvou o facto dos livros e manuais serem disponibilizados gratuitamente aos estudantes e disse que os pais deviam aproveitar para "aprender com os seus filhos".

"A educação dos filhos não pode ser só entregue aos professores e alunos. É importante acompanhar os nossos filhos. Ajudem-nos, acompanhem o seu percurso escolar e leiam com eles", afirmou.

Aos finalistas, Dulce Soares deixou um pedido para que se esforcem para prosseguirem os estudos universitários e pediu para que se formem e contribuam para o desenvolvimento do país.

"Timor-Leste precisa de pessoas qualificadas, contribuam para o desenvolvimento do país", disse, agradecendo a dedicação dos professores que estão deslocados de Portugal na EPD.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.