Ministra da Cultura felicita Maria do Céu Guerra por Prémio Vasco Graça Moura

O percurso de Maria do Céu Guerra "é exemplo de um espírito combativo, empenhado e comprometido com a causa pública", afirmou hoje a ministra da Cultura, felicitando a atriz pela atribuição do Prémio Vasco Graça Moura-Cidadania Cultural.

"O percurso de Maria do Céu Guerra é exemplo de um espírito combativo, empenhado e comprometido com a causa pública, onde o teatro surge como elemento fundamental do gesto político, antes e depois da Revolução de 1974", lê-se na nota ministerial hoje divulgada.

Para a ministra Graça Fonseca, "o exemplo de Vasco Graça Moura, homenageado com a criação deste prémio, ganha expressão maior na escolha de Maria do Céu Guerra, pelo seu exercício continuado de cidadania cultural".

A ministra realça o facto de o júri, ao qual presidiu Guilherme d'Oliveira Martins, ter sublinhado "o longo trabalho" da atriz e encenadora na companhia A Barraca, "como núcleo de irradiação cultural, formativo e vocacionado para a descoberta e criação de novos públicos".

"Gerações de atores, técnicos e públicos podem, com Maria do Céu Guerra, dialogar com autores fundamentais da literatura e do teatro, como Gil Vicente, Fernando Pessoa, Eça de Queirós e José Saramago", afirma Graça Fonseca que remata a mensagem de felicitações com "Muitos Parabéns!".

A atriz e encenadora Maria do Céu Guerra, uma das fundadoras da companhia de teatro A Barraca, foi distinguida com o Prémio Vasco Graça Moura-Cidadania Cultural, divulgou hoje a Estoril-Sol, promotora da iniciativa.

Maria do Céu Guerra, de 75 anos, "desenvolveu, ao longo de mais de cinco décadas, uma carreira ímpar ligada às artes", e é a primeira mulher a receber este galardão, com o valor pecuniário de 20.000 euros.

A atriz e encenadora foi escolhida "por se ter destacado, ao longo da vida, numa prática de cidadania cultural, enquanto atriz, que levou à cena e por diferentes modos divulgou os grandes textos da literatura portuguesa e, nessa intervenção, que manteve em A Barraca como núcleo de irradiação cultural".

O nome da distinguida foi conhecido hoje, dia em que o escritor Vasco Graça Moura (1942-2014) completaria 77 anos.

O prémio visa "distinguir um escritor, ensaísta, poeta, jornalista, tradutor ou produtor cultural que ao longo da carreira - ou através de uma intervenção inovadora e de excecional importância -, haja contribuído para dignificar e projetar no espaço público o setor a que pertença", lê-se no regulamento.

O júri do prémio Vasco Graça Moura-Cidadania Cultural, além de Guilherme d'Oliveira Martins, foi também constituído por Maria Alzira Seixo, José Manuel Mendes, Manuel Frias Martins, Maria Carlos Loureiro, Liberto Cruz, Nuno Lima de Carvalho e Dinis de Abreu.

Nas edições anteriores foram distinguidos Victor Aguiar e Silva (2018), José Carlos Vasconcelos (2017) e Eduardo Lourenço (2016).

A cerimónia da entrega do prémio a Maria do Céu Guerra "será anunciada oportunamente", segundo a Estoril-Sol.

Ler mais

Exclusivos