Mau tempo: Situação nas Avenidas Novas, Lisboa, deve estar resolvida até final da tarde -- Junta

Os ramos que caíram na freguesia das Avenidas Novas, em Lisboa, e afetaram 20 carros, deverão ser retirados até ao final da tarde, podendo depois a circulação ser reposta, estimou hoje a presidente da Junta de Freguesia.

De acordo com Ana Gaspar, os "casos mais graves em [termos de] danos, que felizmente só são automóveis", aconteceram na Avenida Elias Garcia, e na confluência com a Avenida 5 de Outubro, devido à queda de ramos de árvores que atingiram carros que se encontravam estacionados na rua.

"Não houve queda de árvores, o que houve aqui foi queda dos ramos e houve cerca de 20 carros afetados", afirmou a presidente da Junta, em declarações à agência Lusa.

A par dos automóveis, "houve também um quiosque afetado", avançou a autarca, acrescentando que "até agora" a Junta não tem conhecimento de outras infraestruturas que tenham sido arrancadas ou danificadas devido à chuva e ao vento forte que se fez sentir durante a madrugada.

Apesar de a "maior preocupação" da autarquia se prender com a possibilidade da existência de feridos, isso "felizmente não aconteceu".

A presidente da Junta das Avenidas Novas disse à agência Lusa que no domingo à noite percorreu algumas artérias da freguesia com a sua equipa, para "ver se andava alguém na rua, e felizmente não havia", uma vez que "as pessoas perceberam que era um alerta vermelho" e permaneceram abrigadas.

Quanto aos trabalhos para remoção dos ramos caídos, "estão a decorrer, com ajuda obviamente da Câmara Municipal", e de "20 homens e duas máquinas" da Junta de Freguesia.

"Até ao final tarde está transitável a rua", estimou a presidente, elencando que "uma parte da [Avenida] Elias Garcia já está liberta", mas para já não é possível "ter uma previsão mais assertiva do que esta", dado que "ainda há muitos troncos" pendurados e no chão.

Quanto aos estragos, "vão ser cobertos pela Câmara Municipal de Lisboa", salientou Ana Gaspar.

A presidente da Junta observou também que esta é "uma zona muito arborizada da cidade", o que "tem custos", mas "as árvores têm sido podadas atempadamente".

Devido aos ramos que caíram, os espécimes "serão podados até não haver árvores desequilibradas", por forma a "não haver mais nenhum risco", explicou a autarca.

"Não podemos prever o alcance das tempestades, mas temos noção que há troncos que terão de ser cortados em função do equilíbrio e robustez da árvore, e isso vamos fazer, vai começar daqui a um bocado", elencou.

O Regimento de Sapadores Bombeiros de Lisboa registou, entre as 07:00 e as 10:15 de hoje, mais de uma dezena de quedas de árvores e de estruturas, disse à Lusa fonte da corporação.

De acordo com a mesma fonte, a ocorrência que "está a dar mais trabalho" é a da Avenida Elias Garcia, onde a queda de uma árvore durante a noite está a condicionar o trânsito.

"Não foram registados acidentes graves nem feridos na sequência das ocorrências", acrescentou.

Já a Proteção Civil registou desde o final da tarde de domingo e o início da manhã de hoje "um total de 3.187 ocorrências divididas por 1.997 quedas de árvore, 34 movimentos de massa, 370 inundações, 632 quedas de estruturas e 152 limpezas de vias, na sequência do mau tempo.

A tempestade Ana provocou ainda cinco feridos ligeiros e uma vítima mortal, devido à queda de uma árvore, 13 desalojados ou deslocados, devido a casas destelhadas e quedas de árvores sobre habitações.

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.

Opinião

DN+ A Cimeira da CPLP em Cabo Verde: a identidade e o poder pelo diálogo

Não é possível falar da CPLP sem falar de identidade. Seja ela geográfica e territorial, linguística, económica, cultural ou política, ao falarmos da CPLP ou de uma outra sua congénere, estaremos sempre a falar de identidade. Esta constatação parece por de mais óbvia e por de menos necessária, se não vivêssemos nos tempos em que vivemos. Estes tempos, a nível das questões da identidade coletiva, são mais perigosos do que os de antigamente? À luz do que a humanidade já viveu até agora, não temos, globalmente, o direito de afirmar que sim. Mas nunca como agora foi tão fácil influenciar o processo de construção da identidade de um grupo, de uma comunidade e, inclusivamente, de um povo.