Marko Lazarevic chega para a baliza do Arouca

O sérvio Marko Lazarevic foi apresentado hoje como o mais recente reforço do Arouca, em dia de arranque dos trabalhos do Arouca, com a realização dos exames médicos do clube despromovido à II Liga de futebol.

Aos 23 anos, o guarda-redes, que até agora defendia as cores dos sérvios do Rad Beograd, tem em Arouca a sua segunda experiência fora do país de origem, depois de na época de 2015/16 ter estado ao serviço do FK Rudar Pljevlja, do Montenegro.

O jovem guardião, que esta manhã já realizou os exames médicos com o plantel, junta-se a Igor Rocha e Bracali no rol de jogadores candidatos a defender a baliza.

Plantel provisório do Arouca para 2017/18:

- Guarda-redes: Igor Rocha, Bracali e Marko Lazarevic (ex-Rad Beograd, Ser).

- Defesa: Jeffre Vargas, João Amorim (ex-Aves), Deyvison (ex-Marítimo), Benny (ex-Leiria), Vítor Costa, Nelsinho, Jubal, Hugo Basto .

- Médios: Bruno Alves (ex-Aves), Nuno Valente, André Santos, Alseny Soumath (júnior), Morlaye Sylla (júnior), Moses (júnior), Ricardo Sousa (juvenil), Ericson (ex-Aves), Palocevic (ex-Vojvodina, Ser) e Nuno Coelho.

- Avançados: Sancidino, Kuca, Tomané, Gui (júnior), Tucka (regressa de empréstimo ao Limianos), Bruno Lopes (regressa de empréstimo ao Brasil de Pelotas), Cícero (ex-Paços de Ferreira) e Adílio Santos (ex-S. Martinho).

Treinador: Jorge Costa.

Saíram: Sacramento (Gil Vicente), Bolat (FC Porto), Gilson (Benfica B), Sami (FC Porto B), Mateus (Boavista), Adilson, Crivellaro, Velázquez, Artur, Karl, Anderson Luís, Keirrison e Walter (Olímpia, Par).

.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.