Marcelo salienta que ciência, ensino e cultura são estratégicos para Portugal

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, considerou hoje que o entusiasmo dos jovens para com a ciência é algo "verdadeiramente estratégico para Portugal", como também o é o ensino e a cultura.

Intervindo no encerramento da cerimónia de entrega do Prémio Científico IBM, no Instituto Superior Técnico (IST), em Lisboa, o Presidente da República apontou que "o que se avançou em termos científicos [nas últimas décadas] é impressionante".

"É impressionante a mudança do país", salientou, elencando que essa mudança se vê "nas relações de cooperação científica com os países amigos, naquilo que é a sofisticação, a aposta e o empenho dos centros de excelência académicos em Portugal, no esforço feito em termos de chamada de atenção para a ciência como prioridade".

Também o "entusiasmo de tantas e tantos jovens no domínio da ciência, nas mais variadas áreas" é "atestado pelo número de provas académicas, nomeadamente doutoramentos, mas vai muito para além disso", apontou Marcelo.

"E é essa mudança que é verdadeiramente estratégica para Portugal. O ensino e a ciência, e de uma forma geral, também a cultura, são estratégicos para Portugal", vincou.

O chefe de Estado classificou o Prémio Científico IBM - que premiou Marija Vranic, uma investigadora de pós-doutoramento do Instituto de Plasmas e Fusão Nuclear do IST -- como "o mais importante prémio científico português, e um dos mais importantes da Europa, com projeção no mundo".

"É muito gratificante testemunhar esse avanço neste momento, nesta cerimónia", disse Marcelo.

O Presidente da República justificou a sua presença porque "queria conhecer mais de perto os grandes protagonistas do futuro de Portugal que, de alguma maneira, o são do futuro do mundo, porque são excelência no mundo".

"E queria, como Presidente da República, manifestar a minha admiração e agradecer-vos profundamente o contributo que têm vindo a dar, que estão a dar e irão dar ano após ano, prémio após prémio, para Portugal e para o enriquecimento da humanidade", salientou.

Também presente na cerimónia, o ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, advogou que "fazer ciência é um esforço, mas é um esforço que vale a pena".

Para fazer valer o seu ponto de vista, o governante salientou que os antigos laureados com este prémio "são hoje referências nacionais e europeias".

A 28.ª edição do Prémio Científico IBM contou com 26 candidaturas, um recorde.

Marija Vranic foi premiada pelo estudo sobre a interação entre a luz e a matéria em condições extremas, com possíveis implicações na medicina e na indústria.

Este prémio, no valor de 15 mil euros, foi criado em 1990 e distingue trabalhos de jovens investigadores no campo das ciências da computação.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.