Mais de 75% das crianças e jovens migrantes para Europa sofrem abusos - relatório

Mais de 75% das crianças e jovens adultos que tentam migrar para a Europa atravessando o Mediterrâneo central são vítimas de abusos durante a viagem, denunciaram duas agências da ONU num relatório hoje divulgado.

A UNICEF, especializada nos direitos das crianças, e a Organização Internacional para as Migrações (OIM) estão particularmente preocupadas com o que acontece aos migrantes originários da África subsariana, neste relatório baseado em testemunhos de "cerca de 22.000 migrantes e refugiados, incluindo cerca de 11.000 crianças e jovens".

"A pura realidade é que é agora comum as crianças que atravessam o Mediterrâneo serem vítimas de abusos, tráfico, espancamento e discriminação", concluiu a diretora regional da UNICEF na Europa, Afshan Khan, em comunicado.

Segundo o relatório das duas agências especializadas das Nações Unidas, mais de três quartos (77%) das crianças e jovens migrantes que tentam chegar à Europa via Mediterrâneo central dão conta de "experiências diretas de abuso, exploração e práticas semelhantes a tráfico de seres humanos".

"Eles utilizam palavras como 'tortura, espancamento, assassínio, esclavagismo, tráfico, violação', não como conceitos abstratos, mas como a sua realidade", relatou a diretora da UNICEF em Bruxelas, Sandie Blanchet, em conferência de imprensa.

Aqueles que são originários da África subsariana "são muito mais suscetíveis a serem submetidos a exploração e tráfico humano do que os que vêm de outros pontos do mundo", sublinha-se no relatório, que aponta "o racismo" como provável "fator subjacente" a esse tratamento diferenciado em função da cor da pele.

"A rota migratória do Mediterrâneo central é particularmente perigosa, com a maioria dos migrantes e dos refugiados a atravessar a Líbia, que continua a ser devastada pela ausência de lei, pelas milícias e pela criminalidade", realça-se no documento.

Em média, os jovens migrantes pagam pela viagem "entre 1.000 e 5.000 dólares" (entre 835 e 4.170 euros) "e muitas vezes chegam à Europa endividados, o que os expõe a novos riscos", precisam as agências da ONU.

A UNICEF e a OIM apelam a "todas as partes envolvidas", tanto aos países de origem como àqueles por que os migrantes transitam e aos de destino na Europa, para que adotem medidas específicas para proteger estes migrantes particularmente vulneráveis.

As duas agências instam, nomeadamente, a que sejam criadas "vias seguras e regulares" para as crianças, a que "se encontrem alternativas à detenção" de crianças migrantes e a que "se combata a xenofobia, o racismo e a discriminação de que são alvo todos os migrantes e refugiados".

"Devemos continuar a ficar chocados, tristes e revoltados", defendeu o diretor da OIM para a Europa, Eugenio Ambrosi, alertando para um aumento do "cinismo" em relação aos repetidos relatos sobre os maus tratos sofridos pelos jovens migrantes.

Ambrosi exigiu também aos europeus uma melhor gestão das fronteiras, com especialistas com formação na área de guarda de menores, em vez de os tratar como "um inimigo potencial que atravessa ilegalmente a 'sagrada fronteira'" da Europa.

Ler mais

Exclusivos

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.