Mais de 60% dos jovens são-tomenses com mais de 19 anos consomem álcool - estudos

São Tomé 10 jun (Lusa) - Mais de seis em cada dez jovens com mais de 19 em São Tomé e Príncipe consomem bebidas alcoólicas, revelam estudos que concluem que o consumo entre os estudantes está a crescer a um ritmo "assustador", disseram investigadoras.

Mais de 63% dos jovens com mais de 19 anos bebem álcool, disse a investigadora luso-são-tomense Isabel Santiago, responsável por um estudo sobre o consumo de álcool e drogas entre os jovens são-tomenses.

"É elevadíssimo, isso é assustador", concluiu.

Para a cientista, os resultados apontam de um modo geral para toda a população escolar, com o consumo geral de álcool a atingir 58% dos rapazes e 43% das raparigas.

"Todavia, eu fui fracionando esses consumos e dividindo em subgrupos, por idades", concluindo que entre 39 e 46% dos jovens com idades entre 15 e 18 anos consomem álcool, "mais do que deveriam", explica.

"Agora, jovens com mais de 19 anos - e eu já estou a falar de 12ª classe e ensino superior público - bebem mais de 63%, é elevadíssimo", acrescenta Isabel Santiago.

Segundo a autora do inquérito, no ensino noturno e alfabetização, os dados apontam para um consumo de 57%, nos dois géneros (homens e mulheres), enquanto no ensino técnico (frequentado apenas por adultos) o consumo de álcool é de 73%.

"No ensino superior - e aí é também assustador - são 79% de consumidores", sublinha.

O estudo sobre o consumo de álcool nas escolas foi entregue às autoridades governamentais, designadamente ao ministro da Educação, Cultura, Ciência e Comunicação, Olinto Daio, ao parlamento são-tomense e às direções das diversas escolas.

O documento inclui recomendações que apontam para que haja mais atividades de ocupação de tempos livres das crianças "para deslocalizá-las do contexto familiar onde se verifica o consumo de álcool".

Um dos resultados aponta que 56% dos filhos de pais que bebem e 59% dos filhos de mães que bebem consomem mais.

"Ou seja, se eu fosse uma mãe consumidora habitual de álcool, os meus filhos, ao verem-me beber álcool, começa o efeito multiplicador", explicou Isabel Santiago.

A diretora do Instituto da Droga e Toxicodependência (IDT), Ivete Lima, revelou, por seu lado, que em São Tomé e Príncipe já foram feitos quatro estudos que concluíram no "aumento de consumo de drogas e bebidas psicotrópicas no seio de jovens e adolescentes na faixa etária dos 10 a 24 anos".

Os estudos foram realizados em 2010, 2014, 2016 e o quarto estudo realizado este ano pelo Unicef.

O estudo de 2016, realizado pelo Instituto da Droga e Toxicodependência, indica que foram realizados inquéritos na Região Autónoma do Príncipe, no Liceu Nacional (principal centro do ensino do país), no liceu Manuel Margarido, no distrito de Mé Zóchi e na escola de Algés em Cantagalo, terceiro maior distrito do país.

"Nós inquirimos mais de três mil jovens e adolescentes na faixa etária dos 10 aos 24 anos e tivemos uma percentagem bastante elevada em termos de consumo de bebidas alcoólicas, sendo a mais elevada as idades entre os 20 a 24 anos, em que nós detetamos 68% de consumo de bebidas alcoólicas", explicou Ivete Lima.

A proliferação de venda de bebidas alcoólicas, aumento de fabrico de bebidas espirituosas locais, importação descontrolada de bebidas, a desagregação de valores na família são-tomense e festas noturnas são as causas apontadas pelo IDT para o alto consumo de bebidas e drogas no país.

O comando da polícia nacional são-tomense associa o aumento de criminalidade no país ao aumento de consumo de drogas e de bebidas alcoólicas.

Na semana passada, a Policia Nacional anunciou mais de 160 crimes numa semana, ou seja, mais de 22 crimes por dia, destacando-se entre eles a violência domestica, assaltos a mão armada, violação sexual e um caso inédito de uma criança de sete anos que esfaqueou outra de seis anos que foi socorrido no hospital Ayres de Menezes.

Exclusivos

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.