Maioria dos consumidores compra frequentemente produtos portugueses - estudo

A maioria dos consumidores (65,6%) compra produtos portugueses frequentemente e quase metade (48,4%) gasta entre 51% e 75% da sua despesa total mensal em produtos nacionais, segundo um estudo apresentado hoje.

A conclusão consta do "estudo de notoriedade da marca", elaborado pelo ISEG -- Lisbon School of Economics & Management (CEGE), apresentado hoje durante o II Fórum Portugal Sou Eu, no Centro de Congressos de Lisboa.

O estudo, realizado junto de 1.200 consumidores e apresentado por Helena Martins Gonçalves, do ISEG, revela que 84,5% dos consumidores procuram a origem do produto e, destes, 76% procuram a indicação da origem do produto ou um selo (42,8%).

"Os resultados são claros e apontam para um aumento, em comparação com o estudo feito em 2014, dos consumidores que compram produtos portugueses frequentemente (65,6% em 2017 e 62,4% em 2014) e dos que tentam comprar produtos portugueses sempre que existam (68,6% em 2017 e 58,7% em 2014", avança o estudo.

De acordo com o documento, a preocupação do consumidor em relação à origem continua a ser maior nos produtos alimentares, com 94,6% para os azeites e vinhos e mais de 80% nas frutas, legumes, pão, pastelaria, peixe, carne e derivados e queijos.

A satisfação com os produtos portugueses registou um aumento, com 92,8% dos consumidores inquiridos a manifestarem-se satisfeitos.

O estudo diz ainda que a qualidade prevalece sobre o preço em quase todas as categorias, com destaque para os bens alimentares.

Em relação aos gastos, 48,4% dos consumidores inquiridos afirma que gasta entre 51% a 75% da sua despesa mensal total em produtos portugueses, contra 41,6% em 2014.

Os motivos que conduzem à compra da produção nacional revelam que 89% acreditam que estão a criar emprego, 87% a ajudar Portugal a ser uma economia forte, 78% a apoiar as empresas nacionais e 77% a ajudar a melhorar o défice.

O programa "Portugal Sou Eu", lançado em 2012 pelo Governo, conta com a adesão de cerca de 1.700 empresas, que qualificaram mais de 5.700 produtos, representando um volume de negócios agregado superior a 6,5 mil milhões de euros e mais de 46 mil postos de trabalho.

Cerca de 68% dos produtos aos quais foi atribuído o selo "Portugal Sou Eu" pertencem aos setores da alimentação, bebidas, agricultura e pescas.

Ler mais

Exclusivos

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.