Magistrados do MP defendem perfil da PGR, PCP contra "arremesso político"

O Sindicato dos Magistrados do Ministério Público (SMMP) defendeu hoje um perfil idêntico ao da atual Procuradora-Geral da República (PGR) para o cargo, sublinhando que o mandato deve ser único, apesar do "bom trabalho".

"A nossa posição de princípio é a de que um PGR, em princípio, deve cumprir um único mandato. Não é uma questão pessoal. Por uma questão de não procurar a recondução, de não estar submetido a determinados efeitos de vinculação a quem o nomeou", disse o presidente do SMMP, António Ventinhas, após reunião com dirigentes do PCP, em Lisboa, sobre a área da justiça.

A atual PGR, Joana Marques Vidal, termina este ano o seu mandato de seis à frente da instituição e têm existido declarações públicas de diversos protagonistas políticos, nomeadamente do Governo e do PS e também da oposição, a favor e contra a possibilidade de a mesma ser reconduzida no posto, algo não explícito na Constituição da República.

"Relativamente à questão da doutora Joana Marques Vidal em si, entendemos que o próximo PGR deverá ter um perfil muito parecido, designadamente no que diz respeito a impulsionar este combate à criminalidade económico-financeira e de dar autonomia aos magistrados para poderem investigar. Seria alguém que pudesse continuar o caminho que ela tem feito até agora e está no bom caminho", continuou António Ventinhas.

O responsável do SMMP adiantou uma "análise muito positiva" sobre a PGR e a "nova perspetiva no combate à corrupção", segundo a qual "os cidadãos percecionam que não há ninguém acima da lei". Para Ventinhas, é essencial que não haja "submissão do poder político ao poder económico" ou "forças ocultas" na "condução dos destinos do país", que "deve pertencer aos cidadãos" até para o "aperfeiçoamento do sistema democrático".

O secretário-geral comunista, Jerónimo de Sousa, afirmou que o PCP também tem "uma visão positiva" do exercício de funções da atual PGR, "tendo em conta a evolução de alguns grandes processos que hoje estão colocados", mas recusou alimentar o "ruído".

"Não podemos fulanizar esta questão porque hoje é esta PGR, amanhã poderá ser outra. Transformar a PGR numa arma de arremesso político, estamos em profunda discordância. Não daremos nenhuma contribuição para que esse ruído aumente e essa arma de arremesso se transforme, de facto, num aspeto negativo para a justiça portuguesa", declarou o líder do PCP.

Segundo Jerónimo de Sousa, "é preciso que o Ministério Público tenha meios para investigar e que os juízes tenham meios e condições para julgar".

Sobre o sistema judiciário, o secretário-geral do PCP defendeu o "acesso dos cidadãos à justiça em condições de igualdade", a necessidade de "combate à corrupção" para "impedir que o poder económico se sobreponha ao poder político" e uma "grande afirmação de autonomia do Ministério Público".

O presidente do SMMP já tinha partilhado as suas "grandes preocupações" com a "falta de investimento na área da investigação criminal" e o atraso no processo de elaboração de um novo estatuto dos magistrados, assim como na redefinição das carreiras, assuntos com que o líder do PCP concordara.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

As miúdas têm notas melhores. E depois, o que acontece?

Nos rankings das escolas há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.