Madeira vai ter Centro de Recuperação para Aves Feridas

A Madeira vai ter um Centro de Recuperação para Aves Feridas devido ao encadeamento da iluminação pública, anunciou hoje a secretária regional do Ambiente e Recursos Naturais da Madeira, Susana Prada, no âmbito da apresentação do projeto Luminaves.

"Um dos objetivos do projeto Luminaves é a criação de um Centro de Recuperação para Aves Feridas que funcionará junto do Jardim Botânico", afirmou.

O projeto Luminaves é desenvolvido, na Madeira, pelo Instituto Regional das Florestas e da Conservação da Natureza e pela Sociedade Portuguesa para o Estudo da Aves (SPEA) e integra entidades dos Açores e das Canárias.

"É um projeto que tem como objetivo trabalhar em três pilares distintos, um no âmbito do conhecimento das aves marinhas; outro no sentido de melhorar uma rede de resgate das aves marinhas encadeadas pela iluminação pública e outro ainda relacionado com a diminuição da poluição luminosa", explicou Kátia Gouveia, coordenadora regional da SPEA.

A bióloga referiu que a costa sul da Madeira é a mais crítica no que diz respeito ao encadeamento das aves e que, em média, "cerca de 200 aves marinhas são resgatadas anualmente".

Contudo, disse acreditar que o número de aves afetadas "seja superior".

Para Kátia Gouveia, uma boa prática para diminuir estas ocorrências seria utilizar temporizadores na iluminação pública, que permitiriam proteger a natureza e obter ganhos de eficiência energética.

O responsável nacional da SPEA, Domingos Leitão, criticou o abate do pombo torcaz na Madeira, a libertação de coelhos na natureza das ilhas da Macaronésia [Madeira, Açores, Canárias e Cabo Verde] e a plantação de espécies invasoras como as coroas de Henrique pelas encostas da região.

A esta crítica, a secretária regional contrapôs, dizendo ser necessário articular desenvolvimento, proteção da natureza e tradição.

"Não pode ser uma rutura brusca, os senhores da conservação pura esquecem-se que o mundo é habitado também por pessoas", afirmou.

Ler mais

Exclusivos

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.