Lucro do Banco Finantia aumenta 38% para 42,3 milhões de euros em 2017

O Banco Finantia teve lucros de 42,3 milhões de euros em 2017, mais 38% do que em 2016, divulgou hoje a instituição em comunicado.

O Finantia, que comemorou 30 anos em 2017, diz que estes "foram os melhores resultados da última década".

O ano passado, o banco teve um produto bancário, após imparidades e provisões, de 77,6 milhões de euros, mais 19% do que o registado em 2016, o que diz se dever sobretudo às comissões líquidas e outros proveitos, que avançaram 37% para 26,6 milhões de euros".

Já a margem financeira foi de 59,9 milhões de euros, o que o banco refere ser "sensivelmente idêntica ao ano anterior".

Os custos operacionais foram de 23,8 milhões de euros, mais 5,3% do que em 2016.

No balanço, os depósitos eram de 803 milhões de euros no final de 2017, mais 8% do que em 2016.

"Este aumento segue a tendência positiva dos últimos anos e confirma a confiança dos clientes no Banco Finantia, tanto em Portugal como em Espanha", refere a entidade.

Os depósitos de clientes aumentaram para 803 milhões de euros, um crescimento de 8% em relação aos 740 milhões euros registados no ano anterior. Este aumento segue a tendência positiva dos últimos anos e confirma a confiança dos clientes no Banco Finantia, tanto em Portugal como em Espanha.

Os ativos totais representavam 1.989 milhões de euros no final de 2017, mais 10% do que no fim de 2016, o que o banco diz que traduz "o crescimento das atividades".

O banco fechou ainda 2017 com um rácio de solvabilidade CET1 de 23% com todas as regras executadas, o que diz ser "um dos mais elevados da banca europeia".

Além de Portugal, onde opera em banca privada (para clientes de mais altos rendimentos, mercado de capitais e banca de investimento), o Finantia tem filiais em Espanha, Reino Unido Malta, Estados Unidos e Brasil.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.