Liga para a Protecção da Natureza apoia proibição de medicamento veterinário na pecuária

A Liga para a Protecção da Natureza (LPN) manifestou hoje o apoio a uma recomendação da Assembleia da República que prevê a proibição do uso de um medicamento veterinário na pecuária, por conter uma substância "fatal para os abutres".

De acordo com um comunicado da LPN, a que a Lusa teve acesso, esse medicamento (um anti-inflamatório utilizado no gado) contém a substância ativa diclofenac, "fatal para os abutres" e responsável "pelo dramático e abrupto declínio" desta espécie no sub-continente indiano, o "que quase os levou à extinção".

Segundo a organização ambiental, existe atualmente uma proposta da Direção-Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV) para comercializar esse fármaco em Portugal a nível pecuário, que, caso seja aprovada pelo Governo, pode colocar em risco as populações de aves necrófagas ameaçadas, como o abutre-preto, o britango, o grifo, a águia-imperial e a águia-real.

Na última semana, a Assembleia da República (AR) aprovou um projeto de resolução, recomendando ao Governo que não autorize a comercialização de medicamentos veterinários com diclofenac.

A LPN informou que, desde 2016, Organizações Não-Governamentais de Ambiente (ONGA) nacionais e internacionais têm alertado as autoridades competentes para os possíveis impactos deste medicamento nas aves necrófagas e apelado ao Governo para que não autorize o seu uso na veterinária.

"De acordo com a ampla informação científica existente, e como referem os alertas anteriormente feitos por diversas organizações nacionais e internacionais, o Diclofenac provoca insuficiência renal aguda nos abutres e também em águias do género Aquila, que culmina na sua morte num curto espaço de tempo", pode ler-se na nota informativa.

A nível nacional existem "várias alternativas a este fármaco, com muito menor impacto, pelo que o tratamento de espécies pecuárias é perfeitamente possível sem recorrer ao uso do diclofenac e de uma forma segura para as aves necrófagas", acrescenta.

O comunicado frisa ainda que, tendo em conta os impactos provados do diclofenac nas aves necrófagas ameaçadas em Portugal, os seus hábitos alimentares e a suas reduzidas populações, a autorização e utilização do mesmo terá um impacto potencialmente devastador nessas espécies e nos ecossistemas onde ocorrem.

Na Índia, "bastou que menos de 1% das carcaças disponíveis para os abutres tivessem sido tratadas com diclofenac para causar a redução das suas populações em mais de 97%", o que levou à proibição do seu uso.

A LPN, em conjunto com outras organizações ambientais, considera que o Governo deve seguir a recomendação da AR, evitando, assim "o consumar de um risco real, iminente e crítico para a conservação das aves necrófagas em Portugal".

A proposta da AR é apoiada pela LPN, pela Associação para o Estudo e Proteção do Gado Asinino (AEPGA), pela Associação Transumância e Natureza (ATN), pela BirdLife Europe and Central Asia, pelo Fundo para a Protecção dos Animais Selvagens (FAPAS), pela Palombar - Associação de Conservação da Natureza e do Património Rural, pela Quercus - Associação Nacional de Conservação da Natureza, pela Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (SPEA) e pela Vulture Conservation Foundation (VCF).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.