Jovens galerias de arte procuram afirmar-se com presença na ARCOlisboa

As jovens galerias de arte contemporânea portuguesas e estrangeiras que participam este ano na Feira Internacional ARCOlisboa estão expectantes com os visitantes e com a possibilidade de se afirmarem no mercado, bem como os artistas que vão mostrar.

Nesta terceira edição, a ARCOlisboa reserva, pela segunda vez, um espaço especial - o 'Opening' - para este tipo de galerias emergentes, com 12 propostas.

A Balcony, de Lisboa, estará presente pela primeira vez no certame, que hoje tem inauguração oficial, e o galerista Pedro Magalhães tem boas expetativas, embora, como disse à Lusa, goste de se colocar numa postura "com uma boa dose de realismo".

"Temos apenas sete meses de vida. Somos um projeto novo, que precisa de alguma legitimação, embora já tenhamos estado presentes numa feira em São Paulo, no Brasil, que correu bastante bem", apontou.

Para a feira, apostou numa dupla de artistas com cerca de 30 anos: o português Tiago Alexandre, que estará representado com uma escultura e uma instalação, composição que já foi mostrada numa exposição do Atelier-Museu Júlio Pomar, a convite da diretora do museu, Sara Antónia Matos; e o português de origem russa Nikolai Nekh, que traz fotografia e instalação.

"Do ponto de vista da aceitação, a nossa galeria está a chamar a atenção. Esta feira é uma oportunidade para validar a nossa posição", salientou.

No espaço da Cordoaria Nacional, ultimam-se os preparativos para a inauguração, pelas 19:00, com os galeristas e as suas equipas a terminar a colocação das peças.

Da Holanda, Dürst Britt & Mayhew participa na ARCOlisboa pela segunda vez, portanto, com uma experiência passada para contar o que a fez regressar.

"No ano passado viemos com três artistas e correu bem, fizemos vendas", disse à agência Lusa Alexander Mayhew, da galeria com sede em Haia.

Este ano traz mais três artistas, dois holandeses e um mexicano: Paul Beumer, holandês que reside em Taiwan, que criou tecidos pintados, resultado das suas explorações sobre os limites da pintura; Puck Verkade, uma artista holandesa que reside em Londres e que criou duas obras suspensas com as palavras "Priviledge" e "Entitled", inspiradas nos colares usados por adolescentes de baixas classes sociais.

O terceiro artista é o mexicano Raul Ortega Ayala, que apresenta duas pinturas inspiradas no tema da relação que os seres humanos têm com a comida.

Para Alexander Mayhew, a vantagem de estar na ARCOlisboa tem a ver com o tipo de visitantes da feira, "mais interessados em conversar, e fazer perguntas sobre a galeria e os artistas, do que nas outras feiras de maiores dimensões".

Também o preço do 'stand', "mais acessível para as galerias mais jovens", foi um atrativo: "É importante estar nas feiras de arte contemporânea porque as galerias têm poucos visitantes. Queremos mostrar novos artistas e esta é uma oportunidade de validá-los", justificou à Lusa o galerista holandês.

Na secção 'Opening' - com comissariado de João Laia - estão também as galerias BomBon (Barcelona), BWA Warzawa (Varsóvia), Copperfield (Londres), Francisco Fino (Lisboa), Hawaii (Lisboa), House of Egorn (Berlim), Madragoa (Lisboa), Pedro Alfacinha (Lisboa), Rolando Anselmi (Berlim/Roma) e Uma Lalik (Lisboa).

Em declarações à agência Lusa, João Laia indicou que nesta secção estiveram oito galerias no ano passado, metade portuguesas e metade estrangeiras, proporção que se repete este ano, mas com um total de 12 galerias, cujo único critério formal é terem menos de sete anos de vida.

"O 'Opening' abriu o ano passado em Lisboa para acolher as novas galerias que surgiram em Lisboa", justificou, acrescentando que este ano, o projeto "é mais autónomo".

Questionado sobre a abertura de várias novas galerias de arte na capital, João Laia vê este fenómeno como "um reflexo da pujança que Lisboa está a ganhar".

"A ARCO é um motor e acaba por ser uma plataforma para a projeção destas galerias. Artistas interessantes já existiam em Lisboa. Agora há um interesse de instituições e curadores estrangeiros que não existia anteriormente", avaliou.

A terceira edição da ARCOlisboa - Feira Internacional de Arte Contemporânea de Lisboa é inaugurada hoje, às 19:00, na Cordoaria Nacional, com 72 galerias oriundas de 14 países, sendo que 27 são portuguesas.

A ARCOLisboa 2018 está aberta ao público entre quinta-feira a sábado, das 14:00 às 21:00, e, no último dia, domingo, das 12:00 às 18:00.

Hoje, a inauguração oficial decorre a partir das 19:00, com a presença do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, do ministro da Cultura, Luis Filipe Castro Mendes, do presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, do presidente do Comité Executivo da IFEMA (Feria de Madrid), Clemente Gónzalez Soler, e do diretor da feira, Carlos Urroz.

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ O sentido das coisas

O apaziguamento da arena de conflitos em que perigosamente tem sido escrita a história das relações entre as potências no ano corrente implica uma difícil operação de entendimento entre os respetivos competidores. A questão é que a decisão da reunião das duas Coreias, e a pacificação entre a Coreia do Norte e os EUA, não pode deixar de exigir aos intervenientes o tema dos valores de referência que presidam aos encontros da decisão, porque a previsão, que cada um tem necessariamente de construir, será diferente no caso de a referência de valores comuns presidir a uma nova ordem procurada, ou se um efeito apenas de armistício, se conseguido, for orientado pela avaliação dos resultados contraditórios que cada um procura realizar no futuro.

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.

Opinião

DN+ A Cimeira da CPLP em Cabo Verde: a identidade e o poder pelo diálogo

Não é possível falar da CPLP sem falar de identidade. Seja ela geográfica e territorial, linguística, económica, cultural ou política, ao falarmos da CPLP ou de uma outra sua congénere, estaremos sempre a falar de identidade. Esta constatação parece por de mais óbvia e por de menos necessária, se não vivêssemos nos tempos em que vivemos. Estes tempos, a nível das questões da identidade coletiva, são mais perigosos do que os de antigamente? À luz do que a humanidade já viveu até agora, não temos, globalmente, o direito de afirmar que sim. Mas nunca como agora foi tão fácil influenciar o processo de construção da identidade de um grupo, de uma comunidade e, inclusivamente, de um povo.