Jerónimo de Sousa apela ao voto para lutar pela reposição de direitos

O secretário-geral do PCP apelou hoje ao voto na CDU nas eleições europeias e legislativas para enfrentar um ano muito exigente na luta pela reposição dos direitos laborais.

"Temos pela frente um ano de grande exigência para o conjunto de forças da CDU onde é preciso combinar a luta em várias frentes nos planos social, político e institucional e, ao mesmo tempo, dar resposta às importantes batalhas eleitorais já marcadas para maio e outubro", disse Jerónimo de Sousa em Portimão.

O líder comunista, que falava no encerramento do comício "Andar para trás não. Avançar é preciso!", no auditório do Museu Municipal de Portimão, distrito de Faro, afirmou que a CDU "não prescinde da luta pela melhoria das leis laborais, ao contrário do que pretende o PS ao andar de mãos dadas com o PSD e CDS-PP".

"São muitos os combates a travar nas mais diversas frentes, seja em defesa e valorização do Serviço Nacional de Saúde (SNS), seja em defesa de outros serviços públicos, como a educação, cultura, transportes e segurança social", sublinhou Jerónimo de Sousa.

Perante uma assistência de cerca de centena e meia de militantes, o líder do PCP indicou que o SNS merece neste momento particular atenção, "ao ser objeto de uma perversa ação desestabilizadora das forças do capital e a braços com a falta de investimento (...) por uma política de obsessão do défice".

De acordo com Jerónimo de Sousa, "é preciso dar particular atenção a este serviço essencial às populações", recordando que "está aí o debate da proposta de Lei de Bases da Política da Saúde, onde é preciso evitar a mercantilização da saúde.

"É necessária uma lei como a que o PCP apresentou, que estabeleça o caráter supletivo do setor privado e defenda, reforce valorize o SNS como garante do direito universal dos portugueses à saúde", destacou.

Jerónimo de Sousa elencou também uma série de medidas e iniciativas de reposição e conquista de rendimentos e de direitos registadas nos últimos três anos, "no qual o PCP teve um papel decisivo para melhorar a vida de milhares de trabalhadores".

"Fomos decisivos para a reposição de direitos e este partido não desiste dos combates que tem de travar por mais difíceis que estes possam ser", alertou.

Para Jerónimo de Sousa, as eleições de 2019 vão ser de grande importância e impacto na evolução do futuro imediato do país, "batalhas eleitorais que, tendo em conta a sua especificidade, vão pesar no seu conjunto e com o reforço da CDU para fazer avançar o país".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.