Japão disponibiliza 247 mil euros para projetos comunitários em Moçambique

O Governo japonês assinou hoje contratos para apoiar Moçambique num valor total de cerca de 282 mil dólares (247 mil euros), anunciou a embaixada nipónica em Moçambique.

Trata-se de quatro projetos comunitários, que incidem na construção de escolas e abertura de furos de água em quatro províncias moçambicanas, de acordo com um comunicado divulgado pela representação diplomática.

No primeiro projeto, orçado em 78 mil dólares (68 mil euros), prevê-se a construção de furos de água no Posto Administrativo da Ilha de Moçambique, no distrito da Manhiça, na província de Maputo, sul do país.

O segundo projeto apoia a construção da Escola Primária de Tetereane, no distrito de Cuamba, província de Niassa, norte do país, um empreendimento orçado em 85 mil dólares (74 mil euros).

A terceira iniciativa, cujo custo é de 86 mil dólares (75 mil euros), prevê a construção de salas de aulas na Escola Primária de Chigodele, no distrito de Vunduzi, na província de Manica.

O último projeto também está ligado à educação, com um custo de 33 mil dólares (29 mil euros), e prevê a construção da Escola Profissional Familiar Rural de Micuvúri, na província de Nampula.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.