Investigadores nacionais partem para os Emirados em busca de naus portuguesas do século XVI

Uma equipa portuguesa de historiadores, biólogos marinhos, arqueólogos subaquáticos e engenheiros de robótica submarina parte hoje para Sharjah, nos Emirados Árabes Unidos, para localizar naus portuguesas do século XVI.

O arqueólogo subaquático Alexandre Monteiro disse à agência Lusa que o objetivo principal da missão é "localizar com tecnologia portuguesa do século XXI naus e galeões lusitanos do século XVI lá naufragados" ou até, "quem sabe, embarcações pré-clássicas, de quando babilónios, assírios e sumérios se abasteciam do cobre de Magan, nome pelo qual era então conhecida esta parte do mundo".

A tecnologia e a metodologia científica a implementar "será toda nacional", sublinhou Alexandre Monteiro, investigador do Instituto Arqueológico e Paleociências (IAP) e do Center for Maritime Archaeology and Conservation da Texas A&M University, e da University of Western Australia.

"Com efeito, se há áreas onde Portugal tem vindo a afirmar uma capacidade singular de investigação e desenvolvimento, é na conceção e utilização de veículos autónomos não tripulados subaquáticos e na realização de parcerias internacionais para a localização e exploração científica de património cultural subaquático", argumentou.

A missão de investigação, que decorre nos antigos portos de Kalba e de Khor Fakkan, na costa leste da península de Musandam, a sul do golfo de Omã, povoações que "foram conquistadas pelos portugueses em 1515, quando eram tributárias do reino de Ormuz", será levada a cabo pelo IAP, da Universidade Nova de Lisboa, e pelo Laboratório de Sistemas e Tecnologia Subaquática (LSTS) da Universidade do Porto.

Alexandre Monteiro especificou que serão utilizados "dois submarinos LAUV (Light Autonomous Underwater Vehicle), com cerca de 18 quilogramas cada um, desenvolvidos e programados naquele laboratório da Faculdade de Engenharia do Porto, que recolherão dados de magnetometria e de relevo dos fundos marinhos".

O projeto, organizado a convite do emir de Sharjah, xeque Sultan bin Muhammad Al-Qasimi, é coordenado logisticamente pela Autoridade Arqueológica de Sharjah e conta com o apoio da Polícia Marítima deste Emirado Árabe.

O arqueólogo subaquático liderou, há um ano, uma equipa de investigadores portugueses que apresentou no V Encontro Iberoamericano de Gestão do Património, no Uruguai, uma proposta de pesquisa, salvaguarda e valorização do Património Cultural Subaquático de contexto português em águas territoriais uruguaias.

Em concreto, o objeto da investigação é o Património Cultural Subaquático português que jaz nas águas circundantes à cidade de Colonia do Sacramento e das ilhas próximas, explicou, em novembro do ano passado, à agência Lusa Alexandre Monteiro.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.