Investigadores criam aplicação que permite gravar e transcrever consultas médicas

Uma aplicação que permite gravar as consultas médicas, com autorização do profissional de saúde, e transcrever e armazenar o conteúdo das conversas para que os pacientes tenham acesso à informação, está a ser desenvolvida por investigadores do Porto.

O objetivo da aplicação HealthTalks é "melhorar a comunicação entre os pacientes e os profissionais de saúde e auxiliar a gestão de informação de saúde pelos próprios pacientes", explicou à Lusa João Monteiro, investigador do Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência (INESC TEC), um dos responsáveis pelo projeto.

A aplicação, que poderá ser instalada em dispositivos com o sistema operativo Android, é adequada para todos os pacientes adultos que falem português ou inglês, com a possibilidade de serem acrescentados mais idiomas no futuro.

Ao concluir a gravação é criada automaticamente uma nova página de consulta com essa gravação associada, na qual podem ser especificados detalhes sobre a conversa com o médico, dados sobre o estabelecimento de saúde a sua especialidade, indicou o investigador.

"Prevendo situações em que a aplicação possa ser utilizada por cuidadores de saúde, pode também ser indicado qual o paciente associado a cada consulta", contou.

Estes dados são armazenados localmente e permitirão pesquisas futuras bem como edições ao nível da informação e a adição de notas.

João Monteiro salientou que, para cada gravação, o utilizador pode solicitar a transcrição do áudio e, no texto, serão identificados os conceitos médicos e apresentadas mais informações sobre qualquer um deles.

"A área da saúde é caracterizada pelo uso de terminologia muito específica, o que, muitas vezes, é um obstáculo à compreensão, mesmo para as pessoas com literacia mais elevada", o que pode ter "repercussões na gestão pessoal da saúde e na tomada de decisões", indicou.

Por outro lado, a especificidade da terminologia dificulta o acesso a ajuda externa após a consulta, porque os termos transmitidos são muitas vezes esquecidos.

Embora as funcionalidades da HealthTalks não sejam exclusivas, "a criação de uma aplicação que implemente todas essas funcionalidades num só sítio e as associe a consultas médicas é algo que ainda não tinha sido feito", acrescentou o investigador.

Esta aplicação foi desenvolvida no âmbito da tese de mestrado em Engenharia Informática e Computação na Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP) de João Monteiro.

Por esse trabalho, foi distinguido na 8.ª edição do concurso de ideias Fraunhofer Portugal Challenge, em outubro, que premeia a investigação de utilidade prática nas áreas das Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) e Multimédia.

A aplicação continua a ser desenvolvida no INESC TEC por João Monteiro e pela investigadora Carla Teixeira Lopes, que é também professora no Departamento de Engenharia Informática da FEUP.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.