Investigadores científicos querem apelar a primeiro-ministro para evitar desemprego

Cansados de ouvir apenas simpatia e sensibilidade para as suas reclamações, os investigadores científicos que vieram hoje à Assembleia da República admitem apelar agora diretamente ao primeiro-ministro para procurar uma solução que os salve do desemprego.

"Queremos fazer chegar a nossa voz ao primeiro-ministro, de outra forma isto é abafado e não passa do Ministério da Educação, que não está interessado em resolver o nosso problema", disse à agência Lusa a neurocientista Teresa Summavielle, da Universidade do Porto, uma das investigadoras recebidas na comissão parlamentar de Educação e Ciência.

Ao fundo da escadaria principal da Assembleia da República esperavam-na cerca de 30 colegas investigadores de todo o país, que se veem confrontados com a perda de emprego e do trabalho de investigação que fizeram nos últimos cinco anos ao abrigo do programa Investigador da Fundação para a Ciência e Tecnologia.

Josefa Pandeirada, investigadora em Psicologia na Universidade de Aveiro, afirmou que os primeiros contratos de cinco anos, totalizando quase 300 pessoas, começam a expirar em abril de 2018 e que "não existe qualquer proposta" em cima da mesa para dar continuidade ao trabalho de cientistas com funções de responsabilidade na investigação científica nacional e internacional "que têm levado o país a patamares de excelência".

Acabados os contratos e sem estar assegurada a sua renovação ou a criação de uma carreira para a investigação científica, marcada atualmente pela precariedade, ficam a meio projetos dos investigadores em causa e o trabalho das equipas que muitos coordenam e que já trouxeram muito financiamento às universidades e instituições portuguesas.

"Façam as contas. Se contarem todo o investimento, todos os postos de trabalho criados, todo o desenvolvimento de empresas que gerámos, vão ver que pagar-nos compensa", apelou.

A investigadora afirmou que a resposta dos deputados da comissão foi: "estamos sensíveis e vamos estudar medidas", o que, "de certa forma, é nada".

"Ciência de qualidade sem precariedade" foi a palavra de ordem da concentração ao fundo das escadas de São Bento, onde o biólogo Bruno Nunes, da Universidade de Aveiro, alertava para o efeito do fim dos contratos nos "rankings" internacionais onde as universidades portuguesas gostam de figurar.

"Assistimos na comissão a um jogo do empurra de responsabilidades políticas. Estamos a falar de danos à Academia nacional, na sua capacidade de angariar fundos, na lecionação, que também asseguramos, estamos a falar de equipas inteiras que vão desaparecer", afirmou.

Teresa Summavielle acrescentou que o Ministério da Educação está mais virado para criar emprego científico para investigadores mais jovens e que isso se fará à custa dos investigadores seniores, que não são abrangidos.

Os investigadores admitem que o programa de regularização dos vínculos precários na administração pública poderá ser uma maneira de saírem da precariedade, mas não querem que isso se faça à custa da perda de posição nas carreiras.

Da tutela, não esperam grande coisa: "o Ministério da Educação não tem, de facto, feito nada, porque diz que não pode impor vontades aos reitores e que as instituições não têm fundo para contratar todos", indicou Teresa Summavielle.

Josefa Pandeirada afirmou que a reunião de hoje teve pelo menos um aspeto positivo, o de dar visibilidade aos problemas dos investigadores seniores, que já passou por bolsas de pós-doutoramento e vários programas e que, em alguns casos ao fim de mais de dez anos, se vê "a braços com nada".

Depois de oito anos de trabalho em regime precário, a antropóloga Catarina Fróis, da Universidade de Lisboa, afirmou à Lusa que "o que está para trás e o que poderia ser" no seu e no trabalho de centenas de outros colegas "é deitado fora" se não houver solução.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.

Premium

Opinião

Angola, o renascimento de uma nação

A guerra do Kosovo foi das raras seguras para os jornalistas. Os do poder, os kosovares sérvios, não queriam acirrar ainda mais a má vontade insana que a outra Europa e a América tinham contra eles, e os rebeldes, os kosovares muçulmanos, viam nas notícias internacionais o seu abono de família. Um dia, 1998, 1999, não sei ao certo, eu e o fotógrafo Luís Vasconcelos íamos de carro por um vale ladeado, à direita, por colinas - de Mitrovica para Pec, perto da fronteira com o Montenegro. E foi então que vi a esteira de sucessivos fumos, adiantados a nós, numa estrada paralela que parecia haver nas colinas.