Investigador prepara tese de mestrado sobre naufrágio do Roberto Ivens

Lisboa, 25 de julho (Lusa) -- O investigador Paulo Costa, que participou na localização do navio caça-minas Roberto Ivens prepara uma tese de mestrado sobre o naufrágio provocado por uma mina alemã na barra do Tejo, em 1917, e em plena crise política e social.

"A minha tese de mestrado conclui que o caça-minas Roberto Ivens não está onde se pensava e é contextualizada no ambiente que se vivia em julho de 1917, um mês complicadíssimo para o governo de Afonso Costa, em Lisboa" explica o historiador, um dos responsáveis pela localização exata dos destroços do navio da Marinha Portuguesa durante a Grande Guerra.

Na quarta-feira, assinalam-se os cem anos do afundamento do navio caça minas Roberto Ivens (antigo arrastão Lordelo), que naufraga ao colidir com uma mina lançada por um submarino alemão à entrada de Lisboa, tendo morrido 15 dos 22 tripulantes, incluindo o comandante, o primeiro-tenente Raul Cascais.

O historiador recorda que no mês de julho de 1917 decorrem sessões secretas no Parlamento, "porque havia muitas complicações na gestão de Portugal" e com a oposição a pedir também satisfações ao governo sobre o Corpo Expedicionário Português em França.

No mesmo mês verificam-se "revoltas em Lisboa e há fome".

No Parlamento há sessões à porta fechada em que participa como membro do Partido Democrático (oposição) o comandante Leote do Rego, da Divisão da Marinha, ocorrendo uma "guerra de tinteiros" e insultos entre os deputados.

No dia 25 de julho de 1917 a oposição abandona o parlamento criticando a falta de diálogo do governo e no dia 26 de julho o caça minas Roberto Ivens afunda-se às portas de Lisboa.

"Foi a pior altura possível. Os jornais da época dizem-nos que Leote do Rego foi imediatamente à Rocha do Conde de Óbidos, em Alcântara, receber os sobreviventes. No mesmo dia sai uma nota da Marinha que diz que o afundamento ocorreu 'a 12 milhas ao sul de Cascais, um pouco ao norte do Cabo Espichel'", sublinha Paulo Costa.

Na tarde do dia 26 de julho, o Roberto Ivens estava a navegar com o rebocador Bérrio, porque nas operações de desminagem participavam sempre dois navios, mas o diário de bordo não existe.

"Do Bérrio, existem os diários anteriores e os posteriores, mas o diário do dia da explosão da mina alemã não existe. Nunca entrou no arquivo histórico", sublinha o autor do estudo.

"Eu penso que era muito complicado assumir-se perante o público e a oposição que submarinos alemães tinham entrado no Tejo, até ao Bugio. A informação foi ocultada e se lermos os diários de guerra dos submarinos alemães ficamos a saber que o inimigo navega à superfície e à vista de terra", diz Paulo Costa acrescentando que o "assunto Roberto Ivens" acaba por cair no esquecimento com o passar do tempo.

A localização exata dos destroços do caça-minas ocorreu apenas em 2015 tendo o Instituto Hidrográfico da Marinha colaborado com os trabalhos de investigação do arqueólogo Alexandre Monteiro, do Instituto de Arqueologia e Paleociências e do investigador Paulo Costa, do Instituto de História Contemporânea, da Universidade Nova de Lisboa.

Uma das fontes para detetar o Roberto Ivens foi a descoberta e a análise do diário de guerra do submarino alemão UC54 que lançou as várias minas a apenas quatro milhas náuticas a sul do forte do Bugio, na foz do rio Tejo.

"Eu penso que dificilmente haverá outro episódio que possa ter tantos aspetos diferentes: História da Grande Guerra (1914-1918); História da Primeira República (1910-1926); destroços; património cultural subaquático; arqueologia subaquática; investigação em arquivo; memória, tradição oral da comunidade piscatória. Tudo no mesmo tema. Não sei se nos voltamos a cruzar com uma história desta dimensão", refere o historiador que defende igualmente o estudo da memória dos factos junto dos descendentes.

"Há muito trabalho a fazer a esse nível: um sobrinho de um dos sargentos com quem já falei várias vezes conta que o tio morreu uma semana antes do casamento. Foi esta a memória que ficou na família: a noiva que ficou viúva antes de se casar. Espero desenvolver os aspetos relacionados com as memórias das famílias", diz Paulo Costa acrescentando que os investigadores foram convidados pela Marinha a publicar uma monografia sobre o Roberto Ivens, em 2018.

No passado dia 19 de julho realizou-se o funeral militar, a bordo da fragata Bartolomeu Dias, no local da explosão, com deposição de flores, pelo primeiro-ministro, e os disparos de três tiros de salva em memória das vítimas, efetuados a partir da corveta João Roby e na presença dos descendentes das vítimas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

educação

O que há de fascinante na Matemática que os fez segui-la

Para Henrique e Rafael, os números chegaram antes das letras e, por isso, decidiram que era Matemática que seguiriam na universidade, como alunos do Instituto Superior Técnico de Lisboa. No dia em que milhares de alunos realizam o exame de Matemática A, estes jovens mostram como uma área com tão fracos resultados escolares pode, afinal, ser entusiasmante.