Investidor francês Claude Berda quer investir 450 ME no imobiliário em Portugal

O francês Claude Berda, que vendeu a rádio francesa AB Groupe, tenciona investir 450 milhões de euros na compra e desenvolvimento de propriedades em Portugal para depois as vender, refere hoje a agência Bloomberg.

Segundo a Bloomberg, Berda está à procura de financiamento da banca para alguns dos projetos e nos últimos dois anos já comprou dez edifícios em Lisboa, um 'resort' no Algarve e uma propriedade de 350 hectares na Comporta.

"Portugal é definitivamente o meu próximo grande projeto", disse Berda à agência, numa entrevista em Lisboa.

"Já estive algum tempo com mediadores imobiliários e estão há procura de propriedades para vender. Não têm produto suficiente. O mercado é muito bom e forte", adiantou Berda na referida entrevista.

O mercado imobiliário em Portugal está a gerar crescente interesse nos cidadãos franceses, que no ano passado ultrapassaram os britânicos e passaram a ser os maiores compradores estrangeiros de imobiliário, segundo dados da associação portuguesa de profissionais e mediadores imobiliários, adianta a Bloomberg.

A Bloomberg também refere o programa de residente não habitual, que permite aos pensionistas estrangeiros que vivam no país não pagar impostos desde que o rendimento provenha do estrangeiro, e o programa dos 'Vistos Gold', que oferece vistos de residência para quem investir mais de 500 mil euros em imobiliário, adiantando que os dois têm sido 'magnéticos' para compradores estrangeiros, incluindo cidadãos franceses à procura de impostos mais baixos e chineses à procura de casa na Europa.

Berda, de 70 anos, que viaja para Portugal duas vezes por mês para acompanhar a sua empresa de imobiliário Vanguard Properties, gerida pelo filho Rolland, afirma que "Lisboa ainda é relativamente barata quando comparada com outras cidades europeias" e que "conhece bem os portugueses", refere a Bloomberg.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.