Instalação de artistas portugueses questiona o uso obsessivo das 'selfies'

Uma instalação criada pelos artistas visuais João Cristóvão Leitão e João Pedro Fonseca, que questiona o uso obsessivo das 'selfies' e a sobre-exposição da privacidade na sociedade atual, inaugura a 18 de novembro, em Lisboa.

Inserida no Festival Temps d'Images, a instalação inaugura às 22:00 de 18 de novembro na Galeria Appleton Square, e estará patente até 24 de novembro.

João Cristóvão Leitão e João Pedro Fonseca juntam-se pela primeira vez no festival Temps d'Images para criar uma obra reflexiva que questiona a sobre-exposição da privacidade que as novas tecnologias banalizaram.

Numa instalação de ´videomapping´ para uma pessoa de cada vez, os artistas questionam o papel da tecnologia na era da saturação de informação, descreve um texto do festival sobre a obra.

"O fenómeno da replicação da imagem tem vindo a crescer com a evolução das tecnologias e, em paralelo, com as ´selfies´, as redes sociais e os ´live-streamings´. A obsessão excessiva pela nossa própria imagem amplifica-se. Procuramos nestes registos um reflexo do invisível, reflexo este que só pertence a uma idealização do eu", acrescenta o texto dos artistas.

A instalação "surge, assim, não enquanto um espaço ou um lugar onde todas estas ficções inevitáveis, aceleradas e descartáveis se podem multiplicar, expandir e dissolver, mas sim enquanto uma paisagem imersiva e imaginária, que se quer infinita e dilatada, e através da qual o espetador é obrigado a confrontar-se com uma imagem de si próprio, que, por sua vez, o contempla".

A conceção e criação são de João Cristóvão Leitão e João Pedro Fonseca, a produção é de João Cristóvão Leitão, o design de João Pedro Fonseca.

João Cristóvão Leitão é licenciado em Teatro (Dramaturgia), pela Escola Superior de Teatro e Cinema, e mestre em Arte Multimédia (Audiovisuais), pela Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa.

Enquanto criador, fundou o coletivo performativo 3.14 (2010-2012) e, em 2012, integrou o coletivo SillySeason.

Desenvolve, regularmente, projetos de vídeo arte ("O Retrato de Mónica", "O Retrato de Irineu", "O Retrato de Ulisses", "o jardim dos caminhos que se bifurcam"), alguns dos quais foram exibidos a nível europeu e/ou premiados a nível nacional, nomeadamente com o Grande Prémio LOOPS.Lisboa, Prémio FUSO -- Júri/Fundação EDP.

João Pedro Fonseca frequentou o curso de pintura da Faculdade de Belas Artes de Lisboa, e tem um percurso multidisciplinar, tendo já exposto em Montpellier, São Paulo e na Cidade do México.

Foi bolseiro de Apoio às Artes Plásticas, através da Fundação Calouste Gulbenkian, e trabalha também como artista gráfico e plástico.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.