Incêndio no bairro da Torre em Loures provocou 25 desalojados - moradores

O incêndio que deflagrou hoje de madrugada no bairro da Torre, no concelho de Loures, distrito de Lisboa, causou 25 desalojados, de um total de 13 famílias, anunciou a associação de moradores, em comunicado.

A nota refere que entre os desalojados estão cinco idosos, um bebé, quatro crianças e dois adolescentes.

De acordo com a Associação de Moradores Torre Amiga, na segunda-feira "haverá uma reunião entre o presidente da Junta de Freguesia e as pessoas que perderam as suas casas no incêndio".

O bairro da Torre é um bairro autoproduzido, em parte de ocupação ilegal, que existe desde a década de 1970.

"A precarização do acesso à rede elétrica e a incerteza quanto ao destino das famílias residentes depois de duas demolições e tentativas de despejos forçados levou a que todos os moradores tenham optado por fazer baixadas ilegais, apesar de anteriormente cumprirem os contratos com a EDP e, portanto, tivessem acesso legal à eletricidade", revela o comunicado.

A associação de moradores indica que no bairro da Torre vivem cerca de 200 pessoas num total de 47 famílias "em situação de grave precariedade, com baixos níveis de escolaridade, baixos rendimentos e muito más condições de habitabilidade".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.

Premium

nuno camarneiro

Males por bem

Em 2012 uma tempestade atingiu Portugal, eu, que morava na praia da Barra, fiquei sem luz nem água e durante dois dias acompanhei o senhor Clemente (reformado, anjo-da-guarda e dançarino de salão) fixando telhados com sacos de areia, trancando janelas de apartamentos de férias e prendendo os contentores para que não abalroassem automóveis na via pública. Há dois anos, o prédio onde moro sofreu um entupimento do sistema de saneamento e pude assistir ao inferno sético que lentamente me invadiu o pátio e os pesadelos. Os moradores vieram em meu socorro e em pouco tempo (e muito dinheiro) lá conseguimos que um piquete de canalizadores nos exorcizasse de todo mal.