Incêndio no bairro da Torre em Loures provocou 25 desalojados - moradores

O incêndio que deflagrou hoje de madrugada no bairro da Torre, no concelho de Loures, distrito de Lisboa, causou 25 desalojados, de um total de 13 famílias, anunciou a associação de moradores, em comunicado.

A nota refere que entre os desalojados estão cinco idosos, um bebé, quatro crianças e dois adolescentes.

De acordo com a Associação de Moradores Torre Amiga, na segunda-feira "haverá uma reunião entre o presidente da Junta de Freguesia e as pessoas que perderam as suas casas no incêndio".

O bairro da Torre é um bairro autoproduzido, em parte de ocupação ilegal, que existe desde a década de 1970.

"A precarização do acesso à rede elétrica e a incerteza quanto ao destino das famílias residentes depois de duas demolições e tentativas de despejos forçados levou a que todos os moradores tenham optado por fazer baixadas ilegais, apesar de anteriormente cumprirem os contratos com a EDP e, portanto, tivessem acesso legal à eletricidade", revela o comunicado.

A associação de moradores indica que no bairro da Torre vivem cerca de 200 pessoas num total de 47 famílias "em situação de grave precariedade, com baixos níveis de escolaridade, baixos rendimentos e muito más condições de habitabilidade".

Ler mais

Exclusivos

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.