Idanha-a-Nova investe 400 mil euros na reabilitação urbana do centro da vila

A Câmara de Idanha-a-Nova vai requalificar o Largo do Município e a zona envolvente do Largo de Santo António, um investimento no valor de 400 mil euros, foi hoje anunciado pela autarquia.

"A requalificação do Largo do Município e zona envolvente abrange uma área de intervenção de 5.097 metros quadrados. Irá proceder-se à melhoria das condições de acessibilidade e mobilidade junto ao edifício da Câmara Municipal, promovendo a adequação do Largo a um novo desenho das vias de circulação, com especial ênfase para um corredor ciclável", explica em comunicado o presidente da Câmara de Idanha-a-Nova, Armindo Jacinto.

Este município do distrito de Castelo Branco vai investir um total de 400 mil euros na requalificação, sendo que 280 mil vão ser aplicados no Largo do Município e 120 mil euros correspondem ao Largo de Santo António.

"Com esta intervenção, pretende-se afirmar a centralidade deste espaço na malha urbana da vila de Idanha-a-Nova. Por conseguinte, revela-se essencial definir as áreas de circulação automóvel, organizando o trânsito, as áreas de estacionamento e as áreas de estadia e circulação pedonal", lê-se na nota.

A autarquia sublinha ainda que as áreas de reabilitação urbana estão definidas para todas as freguesias do concelho de Idanha-a-Nova.

"O objetivo é a requalificação de vários espaços e a criação de novas dinâmicas económicas, culturais e sociais", refere.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...