Idanha-a-Nova investe 151 mil euros viaturas elétricas para recolha de resíduos

A Câmara de Idanha-a-Nova adquiriu quatro viaturas elétricas para recolha de resíduos urbanos, um investimento de 151 mil euros que se insere na estratégia ambiental do município, foi hoje anunciado.

"A opção por veículos elétricos reflete a estratégia ambiental de Idanha, visto que este município aposta na economia verde e é a primeira Bio Região em Portugal", refere em comunicado o presidente da Câmara de Idanha-a-Nova, Armindo Jacinto.

O autarca explica que foram adquiridas duas viaturas elétricas para a recolha de resíduos sólidos urbanos, destinadas a operar na aldeia histórica de Monsanto e em Penha Garcia, um veículo com caixa de rede basculante para recolha de resíduos no Parque de Campismo Municipal e um aspirador urbano para a vila de Idanha-a-Nova.

"As novas viaturas irão suprir necessidades no concelho, nomeadamente em duas localidades com acessos difíceis para a recolha de resíduos (Monsanto e Penha Garcia), mas também no Parque de Campismo e nas ruas das áreas urbanas", sublinhou.

Os novos veículos, para além de melhorarem a qualidade do serviço de recolha de resíduos urbanos, permitem à Câmara de Idanha-a-Nova, em parceria com os restantes atores do concelho, continuar a consolidar o desempenho ambiental, numa estratégia de eficiência coletiva.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.