Idanha-a-Nova investe 151 mil euros viaturas elétricas para recolha de resíduos

A Câmara de Idanha-a-Nova adquiriu quatro viaturas elétricas para recolha de resíduos urbanos, um investimento de 151 mil euros que se insere na estratégia ambiental do município, foi hoje anunciado.

"A opção por veículos elétricos reflete a estratégia ambiental de Idanha, visto que este município aposta na economia verde e é a primeira Bio Região em Portugal", refere em comunicado o presidente da Câmara de Idanha-a-Nova, Armindo Jacinto.

O autarca explica que foram adquiridas duas viaturas elétricas para a recolha de resíduos sólidos urbanos, destinadas a operar na aldeia histórica de Monsanto e em Penha Garcia, um veículo com caixa de rede basculante para recolha de resíduos no Parque de Campismo Municipal e um aspirador urbano para a vila de Idanha-a-Nova.

"As novas viaturas irão suprir necessidades no concelho, nomeadamente em duas localidades com acessos difíceis para a recolha de resíduos (Monsanto e Penha Garcia), mas também no Parque de Campismo e nas ruas das áreas urbanas", sublinhou.

Os novos veículos, para além de melhorarem a qualidade do serviço de recolha de resíduos urbanos, permitem à Câmara de Idanha-a-Nova, em parceria com os restantes atores do concelho, continuar a consolidar o desempenho ambiental, numa estratégia de eficiência coletiva.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...