Idanha-a-Nova é o primeiro município a integrar a Rede Internacional Bio Regiões

Idanha-a-Nova, no distrito de Castelo Branco, tornou-se hoje o primeiro município português a integrar a Rede Internacional Bio Regiões, cujo objetivo passa pela implantação de uma estratégia de desenvolvimento sustentado no território.

"A adesão [à rede] não surgiu por acaso. Somos do mundo rural. Idanha-a-Nova quer desenvolvimento, mas que este seja equilibrado e sustentado", afirmou a presidente do Centro Municipal de Cultura e Desenvolvimento de Idanha-a-Nova, Catarina Pereira.

Esta associação de desenvolvimento local é, a partir de agora, a instituição concelhia responsável por todo o trabalho a desenvolver no âmbito da rede Internacional de Bio Regiões em parceria com a autarquia local.

O grande objetivo desta rede passa pelo desenvolvimento de atividades de sustentabilidade ambiental nos territórios, não só ao nível da produção biológica, mas com o envolvimento consciente de toda a comunidade local, desde agricultores, produtores, consumidores, escolas, operadores turísticos e instituições.

A cerimónia de adesão decorreu na Escola Superior de Gestão de Idanha-a-Nova (ESGIN) e foi presidida pelo secretário de Estado das Florestas e do Desenvolvimento Rural, Miguel Freitas.

O presidente da Rede Internacional Bio Regiões, Salvatore Basile, realçou a importância deste dia para a rede.

"Quando se cria uma biorregião, cria-se um acordo, um protocolo que envolve toda a comunidade, desde agricultores, consumidores, universidades, Governo, operadores turísticos, entre outros. Trata-se de um acordo de gestão sustentável dos recursos locais", explicou.

Já o presidente da Câmara de Idanha-a-Nova, Armindo Jacinto, apresentou o Instituto do Mundo Rural, uma entidade não formal que surge da proposta apresentada pelo economista Augusto Mateus, no seu estudo "O Mundo Rural, porque sim", encomendado pela autarquia local.

"Idanha-a-Nova fez uma proposta para a criação deste instituto com o objetivo de poder concretizar as propostas apresentadas no estudo [de Augusto Mateus]. Uma das propostas é a criação de uma rede de biorregiões em Portugal", explicou o autarca.

Armindo Jacinto sublinhou ainda que já encetou contactos e que, neste momento, existem já meia dúzia de municípios interessados em aderir à rede de biorregiões.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.