Idanha-a-Nova cria projeto para preservar planta protegida e endémica da região

A Junta de Freguesia de Toulões, em Idanha-a-Nova, avançou com um projeto para preservar a rosa albardeira, planta protegida e endémica da região, foi hoje anunciado.

"Queremos colocar a rosa-albardeira, símbolo dos Toulões, ao serviço do desenvolvimento da região", explica em comunicado enviado à agência Lusa o autarca local, António Marcelo.

O projeto "Toulões, a Aldeia da Rosa Albardeira" inclui a distribuição de sementes da rosa-albardeira (Paeonia broteri) pelos habitantes de Toulões, incentivando a plantação desta espécie que cresce nos campos da freguesia, em particular na Serra da Murracha.

A iniciativa partiu da Junta de Freguesia de Toulões e conta com o apoio do município Idanha-a-Nova, do Geopark Naturtejo da UNESCO e da empresa Sementes Vivas.

"As equipas do Geopark Naturtejo e da empresa Sementes Vivas, com sede no concelho de Idanha-a-Nova, estão a promover e desenvolver sementes a partir da nossa rosa-albardeira para garantirmos a preservação desta planta protegida", refere o autarca.

A temática da rosa-albardeira, espécie protegida, tem permitido promover Toulões e o concelho de Idanha-a-Nova no país e a nível internacional.

Em 2017, esta aldeia foi convidada de honra no Festival da Peónia, em Lorsch, na Alemanha, onde representou o concelho como território produtivo e destino turístico de excelência.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.