Idai: Autoridades alertam para inevitáveis surtos de cólera e malária

Surtos de cólera e malária vão surgir nas próximas semanas na zona afetada pelo ciclone Idai e pelas cheias no centro de Moçambique, disse hoje o ministro da Terra e Ambiente de Moçambique, Celso Correia.

"É importante termos consciência de que vamos ter cólera, malária, já temos filária, e vai haver diarreias. O trabalho está a ser feito para mitigar" os surtos, destacou hoje em conferência de imprensa no centro de operações de socorro instalado no aeroporto da Beira.

As águas estagnadas que inundam toda a região deverá potenciar a propagação de doenças numa altura em que escasseia a água potável e há 109.000 pessoas deslocadas e albergadas em condições sanitárias deficientes nos centros de acolhimento temporários.

"A prioridade nas próximas semanas é evitar a eclosão de doenças", referiu Celso Correia.

A estratágia inclui a instalação de centros de tratamento - habitualmente instalados em zonas de surto para conter e tratar doentes - e distribuição de equipas médicas por todo o território afetado.

"Ontem já conseguimos distribuir médicos e unidades para fazer vigilância" em vários locais, beneficiando da melhoria das condições meteorológicas e da descida das águas.

O mais recente balanço do ciclone Idai feito pelas autoridades moçambicanas, apresentando hoje, aponta para 446 vítimas mortais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.