Iberdrola constrói maior central fotovoltaica da Europa na Estremadura espanhola

Madrid, 06 jun 2019 (Lusa) -- A energética espanhola Iberdrola anunciou hoje que vai construir a maior central fotovoltaica da Europa na província de Cáceres, Estremadura espanhola, com uma potência instalada de 590 megawatts e um investimento de 300 milhões de euros.

A empresa informa num comunicado de imprensa que acaba de pedir ao Ministério da Transição Ecológica autorização para construir a nova central Francisco Pizarro que vai ocupar uma superfície de 1.300 hectares (equivalente a 1.300 campos de futebol) entre os municípios de Torrecillas de la Tiesa e Aldeacentenera.

A construção da nova unidade de produção de eletricidade vai ocupar cerca de 1.000 trabalhadores até 2022, permitir a produção de energia limpa suficiente para abastecer 375.000 pessoas por ano e evitar a emissão para a atmosfera de 245.000 toneladas de CO2 (dióxido de carbono).

A dimensão desta unidade vai superar a da unidade fotovoltaica Núnez de Balboa que a Iberdrola inaugurou há três meses em Usagre, na província de Badajoz, com 500 megawatts (MW) de potência instalada, que até agora era a maior do continente europeu, segundo a empresa.

A Iberdrola é a principal produtora de energia eólica em Espanha, com uma capacidade instalada total de 5.770 MW, enquanto sua capacidade instalada total de energia renovável chega a 15.790 MW.

Os projetos em construção da energética que também está presente em Portugal fazem parte do seu plano para relançar as energias limpas em Espanha, onde prevê investir 8.000 milhões de euros entre 2018 e 2022 com o início de 10.000 novos MW até 2030.

O plano permitirá a criação de emprego para 20.000 pessoas, quase 10 vezes mais do que as que se dedicam atualmente à geração de energia tradicional.

A Iberdrola é uma das três empresas líderes no setor elétrico em Espanha, conjuntamente com a Gas Natural e a Endesa.

A energia solar fotovoltaica é obtida através da conversão direta da luz em eletricidade.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.