I Liga/Balanço: Vitória de Setúbal de Couceiro cumpre objetivo sem sobressaltos

Ao contrário do que aconteceu na época passada, o Vitória de Setúbal não teve de sofrer até à derradeira jornada para assegurar a continuidade na I Liga portuguesa de futebol, que acabou no 12.º lugar.

No entanto, e apesar de a fasquia dos 30 pontos ter sido alcançada à 23.ª jornada, a permanência só foi matematicamente assegurada à 31.ª, com três para finalizar.

Depois de ter somado 22 pontos na primeira volta, a equipa teve uma quebra na segunda volta, com a conquista de 16 pontos dos 51 que estiveram em discussão em 17 jornadas. Como resultado, tombou dois lugares na tabela.

Com muitas caras novas, algumas oriundas de escalões secundários, e um novo treinador, José Couceiro, que regressou depois das passagens de 2004/05 e 2013/14, as expetativas dos dirigentes sadinos passavam por realizar uma época tranquila.

Os resultados e as boas exibições até à 19.ª jornada - ronda em que venceram, no Bonfim, o Benfica (já tinham empatado 1-1 na Luz) - foram determinantes para a equipa ter estado sempre afastada dos lugares perigosos.

Além dos resultados obtidos frente ao tetracampeão, o Vitória travou também não perdeu com o FC Porto em 2016/17 (0-0 em Setúbal e 1-1 no Dragão, num jogo em que os 'azuis e brancos' poderiam ter ascendido à liderança).

Depois da melhor série da equipa (três êxitos consecutivos, entre a 17.ª e a 19.ª jornada), a quebra foi evidente: nas 14 partidas seguintes, venceu apenas duas (2-0 ao Moreirense e 1-2 ao Nacional) e perdeu nove, cinco entre a 29.ª e a 33.ª rondas.

O Vitória de Setúbal contou em 2016/17 com os empréstimos de Benfica (Nuno Santos e, a partir de janeiro, João Carvalho), FC Porto (Mikel Agu e Zé Manuel) e Sporting (André Geraldes e Ryan Gauld, que foram resgatados pelo Sporting em janeiro), depois de os sadinos terem afastado os 'leões' da Taça da Liga.

Com um dos piores ataques, com 30 golos, só à frente de Belenenses, Tondela e Nacional, o avançado português Edinho, com oito tentos, foi o goleador-mor, enquanto outro atacante, o camaronês Meyong, encerrou a carreira, aos 36 anos.

João Amaral, contratado ao Pedras Rubras (Campeonato de Portugal), foi o segundo goleador da equipa (cinco golos). Em destaque estiveram também o guarda-redes Bruno Varela, já chamado à seleção 'AA', e o médio João Carvalho, marcador do golo do empate (1-1) com o FC Porto, que regressa à Luz.

Pela negativa, há a destacar o guarda-redes Lukas Raeder, o alemão que em 2014/15 chegou a Setúbal oriundo do Bayern Munique e não realizou nenhum minuto.

Ler mais

Exclusivos