Hélia Correia explica a alunos mexicanos o que é a saudade

Os escritores portugueses convidados da Feira do Livro de Guadalajara, no México, têm como uma das atividades a visita a escolas e, numa delas, Hélia Correia explicou aos alunos o que é a saudade.

Na quinta-feira ao final do dia, Hélia Correia era esperada na escola preparatória de Tonalá, um dos municípios vizinhos de Guadalajara e conhecido sobretudo pela produção de artesanato, uma das mais importantes de todo o México.

Durante cerca de uma hora, Hélia Correia, 69 anos, Prémio Camões em 2015, conversou com uma plateia de cerca de 60 adolescentes, começando logo por dizer que não sabe falar sobre as obras que escreve e que não conta nada dela própria, porque é uma coisa muito pessoal.

Ouve-se um ligeiro bruaá na sala e Hélia Correia, apesar de assertiva naquela declaração, acaba por contar alguma coisa da vida pessoal e profissional, suscitando perguntas entre os estudantes.

"Não sou uma escritora. Sou uma pessoa que escreve. Escrever não é um projeto, é uma coisa que chega", disse. Horas antes, no Pavilhão de Portugal da feira, Hélia Correia, telegráfica, dizia: "Não escrevo para escapar à morte. Não uso a escrita para nada, sirvo-a".

Depois de explicar aos alunos de Tonalá como começou a escrever aos quatro anos, Hélia Correia incentivou-os a aprenderem várias línguas, em nome da diferença e da diversidade, quando "o mundo está a caminhar para um conhecimento comum".

Elogiando "a literatura tão rica" do México, que passa pelo escritor Juan Rulfo, a autora portuguesa recebeu dos alunos um resumo da história de Tonalá, fundada por indígenas zapotecas e focada nas festas de Santiago, nas quais os habitantes envergam máscaras de semblante carregado e cabeleiras feitas com crina de cavalo.

Foi já no final, depois de uma sucessão de fotografias, poses e abraços com vários alunos, que Hélia Correia se despediu, deixando-lhes uma palavra.

"Quando nos separamos e pensamos nessa pessoa com saudade. É uma palavra muito bonita e portuguesa", explicou a Prémio Camões.

A 32.ª Feira Internacional do Livro de Guadalajara, que tem Portugal como convidado de honra, termina no domingo.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz amanhã, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.