Governo dos Açores lança plano de combate à pobreza para o biénio 2018-2019

O Governo dos Açores aprovou hoje um plano de ação de combate à pobreza para o biénio 2018-2019 que preconiza, entre outras medidas, o acesso universal aos cuidados de saúde, em especial para crianças e jovens.

"No seguimento da aprovação da Estratégia de Combate à Pobreza e Exclusão Social, no passado dia 20 de junho, é agora aprovado o I Plano de Ação de Combate à Pobreza e Exclusão Social, para o biénio 2018-2019", declarou Berto Messias, porta-voz do Conselho do Governo, que esteve reunido no final da visita oficial do executivo à ilha Graciosa.

O secretário regional da Adjunto da Presidência para os Assuntos Parlamentares referiu que se pretende "assegurar que todos os cidadãos, em especial as crianças e os jovens, possam exercer plenamente o direito universal aos cuidados de saúde" através de medidas de promoção da saúde e prevenção da doença, bem como o acesso a serviços de saúde de qualidade.

Outras das metas do executivo assentam em "tornar os sistemas educativos mais aptos a romper o círculo vicioso da desigualdade" e na "melhoria da inserção no mercado de trabalho", tendo Berto Messias revelado que estas ações serão monitorizadas por indicadores.

O governante exemplificou com as taxas de cobertura de médico de Medicina Geral e Familiar, de mortalidade infantil, de cobertura vacinal, de abandono escolar precoce, de jovens que não trabalham, não estudam ou seguem uma formação.

Também serão tidas em consideração as taxas de integração em creche/ama das crianças do 1.º escalão do Complemento Açoriano ao Abono de Família de Crianças e Jovens, a par das taxas potenciais de cobertura de creches e amas, de cobertura de Centros de Atividades de Tempos Livres, e de estruturas residenciais para idosos.

O executivo liderado por Vasco Cordeiro aprovou ainda uma proposta de decreto legislativo regional que define regras de transparência dos Serviços Inspetivos da Administração Regional Autónoma dos Açores.

Prevê-se a publicação de relatórios de atividade inspetivas "independentemente da natureza ordinária ou extraordinária das mesmas".

Berto Messias disse que foi concedido um apoio complementar num valor até 255 mil euros disponível para os produtores que se candidataram, em 2017, à ajuda à manutenção da vinha orientada para a produção de vinhos com Denominação de Origem (DO) e Vinhos com Indicação Geográfica (IG)".

No capítulo das medidas direcionadas especificamente para a ilha Graciosa, ilha onde o executivo esteve está esta semana em visita estatutária, o porta-voz do Conselho do Governo referiu que foi autorizado o lançamento do concurso público para a empreitada de construção da nova aerogare do Aeródromo da Graciosa, através da SATA Gestão de Aeródromos, S.A.

Foi decidido ainda dar orientações ao Instituto Regional de Ordenamento Agrário (IROA) para avaliar as necessidades de água para abastecimento às explorações agrícolas da ilha Graciosa e apresentar um plano dos investimentos necessários para os próximos dez anos.

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ O sentido das coisas

O apaziguamento da arena de conflitos em que perigosamente tem sido escrita a história das relações entre as potências no ano corrente implica uma difícil operação de entendimento entre os respetivos competidores. A questão é que a decisão da reunião das duas Coreias, e a pacificação entre a Coreia do Norte e os EUA, não pode deixar de exigir aos intervenientes o tema dos valores de referência que presidam aos encontros da decisão, porque a previsão, que cada um tem necessariamente de construir, será diferente no caso de a referência de valores comuns presidir a uma nova ordem procurada, ou se um efeito apenas de armistício, se conseguido, for orientado pela avaliação dos resultados contraditórios que cada um procura realizar no futuro.

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.

Opinião

DN+ A Cimeira da CPLP em Cabo Verde: a identidade e o poder pelo diálogo

Não é possível falar da CPLP sem falar de identidade. Seja ela geográfica e territorial, linguística, económica, cultural ou política, ao falarmos da CPLP ou de uma outra sua congénere, estaremos sempre a falar de identidade. Esta constatação parece por de mais óbvia e por de menos necessária, se não vivêssemos nos tempos em que vivemos. Estes tempos, a nível das questões da identidade coletiva, são mais perigosos do que os de antigamente? À luz do que a humanidade já viveu até agora, não temos, globalmente, o direito de afirmar que sim. Mas nunca como agora foi tão fácil influenciar o processo de construção da identidade de um grupo, de uma comunidade e, inclusivamente, de um povo.